O cidadão ilustre

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 4 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Ganhador do Nobel de literatura aceita convite para visitar a cidadezinha onde nasceu, que abandonou há muito tempo. Chegando lá, descobre que usar seus antigos conhecidos como personagens em suas obras pode não ter sido uma boa ideia.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

24/04/2017

Daniel Mantovani (Oscar Martínez, premiado no Festival de Veneza) é um escritor argentino sem meios-termos. Quando ganha o Nobel de Literatura, vai à cerimônia em Estocolmo, mas não faz a reverência aos monarcas, não usa roupa de gala (só terno e camisa sem gravata), e faz um discurso ácido sobre o papel de um prêmio dessa envergadura e de como isso é prejudicial a um artista – a premiação significa que ele foi aceito pelo establishment, o que pode acabar com sua arte. “A canonização é fatal”, conclui.
 
Esse é o protagonista da comédia argentina O Cidadão Ilustre, da dupla  Gastón Duprat e Mariano Cohn (os mesmos diretores de O Homem ao Lado). Vivendo na Europa há quatro décadas, Daniel não volta à sua pequena cidade natal desde quando a abandonou. O lugar, Salas, fica a cerca de 7 horas de Buenos Aires, tem poucos habitantes e uma mentalidade provinciana. Por isso, ele reluta em revisitá-la quando recebe um convite para ser agraciado com a homenagem que dá nome ao filme.
 
Ele acaba aceitando o convite, apesar de uma série de exigências (sem beijos ou abraços, a imprensa não pode saber que ele está lá, entre outras coisas). No aeroporto de Buenos Aires, é recebido por um tipo estranho com um carro velho, que quebra no meio da estrada, obrigando-os a passar a noite por ali. Quando finalmente chegam a Salas, o escritor é recebido pelo prefeito (Manuel Vicente), que comenta sua agenda de eventos durantes os poucos dias que ficará na cidade. O primeiro deles é dali a pouco: uma aula aberta. E, por mais que relute, será levado num desfile em carro de bombeiros ao lado da miss local.
 
Duprat e Cohn miram no humor construído a partir da tensão entre a sofisticação de Daniel e a simplicidade dos moradores de Salas. O que muitos ali parecem não saber é que a cidade e seus antigos habitantes serviram de cenário e inspiração para personagens dos romances e contos dele – e os retratos nem sempre são lisonjeiros. Mas isso os “salenses” logo ficarão sabendo.
 
Trabalhando com roteiro de Andrés Duprat (irmão de Gastón), a dupla de diretores também traça um retrato pouco amável das pessoas daquela cidadezinha. Dividem-se entre interesseiros, invejosos e fãs de Daniel, embora, bem provavelmente, a maioria nunca tenha lido um livro dele – por isso é tamanha a surpresa quando se descobre o que ele diz sobre Salas.
 
O efeito cômico vem das expectativas de ridículo que o filme potencializa na distinção entre Daniel e Salas. Logo depois de sua chegada, durante a homenagem, a exibição de um vídeo amador e (supostamente) cafona conta a vida do protagonista, quando criança chamado de Titi, enquanto morava ali até que saiu para ganhar o mundo. É um momento engraçado do filme, mas que sintetiza em si a forma como quase todos da cidade são ridicularizados.
 
Em Salas, poucos se salvam. O prefeito é oportunista, o antigo melhor amigo de Daniel (Dady Brieva) casou-se com a ex-namorada do escritor (Andrea Frigerio) e enriqueceu levando turistas para caçar porcos selvagens. Há também um pintor local (Marcelo D’Andrea), que será o maior opositor de Daniel. Os personagens são todos, por assim dizer, excêntricos – falta alguém mais “normal” para dar um contraponto a toda a esquisitice.
 
Cinematograficamente, O Cidadão Ilustre não é muito empenhado. Sua imagem parece pouco cuidada, assim como a câmera e afins – em alguns momentos, mais parece uma produção para a TV. Sua discussão sobre autonomia da arte é superficial e parece um tanto deslocada aqui. Ainda assim, é inegável que há bons momentos de humor e uma grande interpretação de Martínez.

Alysson Oliveira


Trailer


Comente
Comentários:
  • 13/06/2017 - 21h05 - Por Thereza Martins Vi Cidadão Ilustre hoje e achei o filme perturbador.
    Não acho que a discussão sobre a autonomia da arte tenha sido a intenção primeira dos diretores, como sugere a crítica. Por isso, em minha opinião, não é relevante o fato dela ser superficial ou não, deslocada ou não. Para mim, o ponto principal do filme é a hipocrisia. Não por acaso, personagens colocados em evidência são interesseiros, hipócritas, dissimulados. Esse não é o perfil dos moradores da cidade. É o perfil de alguns personagens. Gostei muito do filme.
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança