Sangue do meu sangue

Sangue do meu sangue

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 4 votos

Vote aqui


País


Sinopse

No século 17, um homem procura obter da Igreja o perdão para seu irmão, um frade suicida, que não pode ser sepultado em campo santo. Nos dias atuais, esse mesmo convento é ocupado por um vampiro e cobiçado por especuladores imobiliários.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

07/11/2016

Vencedor do prêmio da crítica no Festival de Veneza 2015, Sangue do meu sangue, do prestigiado cineasta italiano Marco Bellocchio é um primor de vitalidade e apuro. No roteiro, também assinado por Bellocchio – que colhe parte de sua inspiração de um episódio do clássico romance histórico italiano I promessi sposi (1827), de Alessandro Manzoni - alternam-se duas épocas. No século 17, um nobre, Federico Mai (Pier Giorgio Bellocchio), tenta obter da Igreja a permissão para o sepultamento de seu irmão, Fabrizio, um frei que se suicidou, em campo santo. Para admiti-lo, os superiores eclesiásticos do convento obcecam-se por obter uma confissão da monja Benedetta (Lidiya Liberman) de que fizera um pacto com o demônio, seduzindo o frei suicida, o que o liberaria de toda culpa pela morte auto-provocada.
 
Hospedado ali, com duas irmãs supostamente pias (Alba Rohrwacher e Federica Fracassi), o próprio Federico é atormentado por tentações de sedução e por sugestivos olhares de Benedetta, que solicita silenciosamente uma aliança com ele.
 
Transfere-se a ação para a época atual, quando um funcionário corrupto do governo (Pier Giorgio, de novo) e um empresário russo tentam comprar as dependências da velha prisão/convento, em cujos quartos úmidos e corredores desolados habita apenas um velho e misterioso conde (Roberto Herlitzka). Este só é visto à noite pelas ruas da cidade e sobre ele paira a sólida suspeita de que seja um vampiro.
 
 Alternando estes dois tempos de maneira fluente, Bellocchio coloca em discussão temas que sempre frequentaram sua obra – como o moralismo doentio da religião, a força indomável dos sentimentos mais vitais do ser humano, a ambição desmedida e a aliança subterrânea e sinistra dos eternos poderes do mundo, à qual cabe muito bem a metáfora do vampirismo, impregnada de um humor negro admirável. 

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança