Geraldinos

Ficha técnica

  • Nome: Geraldinos
  • Nome Original: Geraldinos
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Brasil
  • Ano de produção: 2015
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 65 min
  • Classificação: 12 anos
  • Direção: Renato Martins, Pedro Asbeg
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Construído em 1950, para a primeira Copa no Brasil, o Maracanã abrigava todas as tribos na sua mítica geral, espaço privilegiado do povão, que ali exercia seu poder de ser ouvido, ainda que no berro. O documentário recolhe as memórias deste espaço que não mais existe e discute a elitização da antiga paixão do povo.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

25/04/2016

Construído em 1950 para a primeira Copa do Mundo no Brasil, o Maracanã tornou-se um território sagrado do futebol. Este documentário focaliza um aspecto particular do estádio carioca – a geral, que era o local do povão, que se localizava na boca do gramado, de onde não só se podia ver de perto tudo o que ocorria no campo, como participar ativamente, especialmente pela via sonora.
 
Tendo em vista a reforma do estádio para a Copa de 2014, em 2005 filmou-se os últimos dez jogos com a permanência desta mítica geral – inclusive o último Fla x Flu. Essas imagens permitem recuperar o clima único desse território popular, extinto dentro da nova e cara configuração das arenas modelo FIFA, que eliminaram o povão da paisagem, não só pela mudança arquitetônica como os preços proibitivos de seus ingressos.
 
Dirigido por Pedro Asbeg (diretor do ótimo Democracia em Preto e Branco) e Renato Martins, Geraldinos evoca o clima único deste espaço, onde os espectadores, em geral, fanáticos, ficavam de pé, tomavam sol, chuva e sapatos (de quem estava nas arquibancadas superiores). Tipos que podem se chamar de folclóricos, por suas fantasias e adereços, dentro das regras amplas de uma festa popular em que tudo valia, até levar um gato, um urubu ou tirar a roupa.
 
A compensação principal era que não tinham como não ser ouvidos. Devido à proximidade, técnicos e jogadores em campo ouviam tudo, de elogios apaixonados a palavrões, dependendo do desempenho. A geral pulsava com o ritmo do jogo e não levava desaforo, ou má exibição, para casa. Geraldinos evoca um tempo que não existe mais no futebol brasileiro que, como muitas outras coisas no País, estão a clamar por uma auto-análise e intensa renovação.

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança