Um Grande Garoto

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

13/03/2003

Mais uma vez, o escritor pop-cool Nick Hornby se entregou a devaneios sobre um espécime bastante conhecido: o conquistador compulsivo que já passou dos trinta há algum tempo, mas que insiste em levar vida de garotão. Aqui, os 30 e poucos anos de Rob Gordon, protagonista de Alta Fidelidade interpretado por John Cusack, se tranformam nos 30 e muitos de Will Freeman, vivido por Hugh Grant, que atesta sua especialidade em comédias românticas.

Os elementos da cultura pop se somam às incertezas de homens que insistem em negar o tempo e se fundem num filme divertido, calcado no cínico humor britânico. Não é mais um besteirol americano, apesar da dupla de diretores, os irmãos Chris e Paul Weitz, terem no currículo o teen American Pie - A Primeira Vez é Inesquecível, além dos roteiro de O Professor Aloprado 2 e FormiguinhaZ.

No filme, Will divide seu tempo entre amores efêmeros com garotas bonitas e eletroeletrônicos que pululam em sua casa. Vivendo dos direitos de um canção de natal composta pelo pai já morto, ele tem como única preocupação de vida dispensar suas pretendentes assim que começam a falar em compromisso. Depois de levar um fora de uma mãe solteira, Will vê nessa classe feminina a solução para seus problemas e, mais que depressa, inventa um filho para freqüentar a reunião de pais solteiros. Nessa empreitada romântica, acaba conhecendo Marcus (Nicholas Hoult), um garoto de 12 anos de quem fica amigo, em princípio, a contragosto.

Um Grande Garoto segue a mesma estrutura narrativa do best seller homônimo do britânico, lançado aqui pela Editora Rocco, e se firma num esquema de dupla narração, intercalando a história sob o ponto de vista de Will e de Marcus. O filme também deixa um pouco de lado duas das mais recorrentes obsessões de Hornby: futebol e música. Mas a última ainda está bem representada pela trilha sonora de Badly Drawn Boy. Apesar disso, é Killing me Softly, de Roberta Flack, que não sairá da cabeça para lembrar esse gostoso entretenimento.

Cineweb-19/7/2002

Luara Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança