Minha Querida Dama

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Mathias é um americano que herda do pai um apartamento em Paris, porém descobre que o imóvel ainda pertence à proprietária original – uma senhora de 92 anos, que será a dona até morrer. Ainda assim, ela deixa-o se hospedar num dos quartos vagos, o que desagrada à filha dela.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

15/06/2015

Alcoólatra em recuperação, Mathias Gold (Kevin Kline) acredita que recebeu como herança do pai um grande apartamento em Paris. Quando chega à cidade e vai tomar posse do imóvel, tem uma surpresa. Nele vive a nonagenária madame Mathilde Girard (Maggie Smith), proprietária do local numa condição especial, a que os franceses chamam de “viager”. O apartamento foi comprado por um preço mais baixo e só poderá ser ocupado quando a proprietária morrer. Até lá, Mathias deverá pagar uma taxa de 2,4 mil euros.
 
A novidade cai como uma grande bomba na vida de Mathias, que, quebrado, não tem como pagar esse “aluguel”, e pretendia vender a propriedade por um bom preço. É claro que Mathilde se recusa a abrir mão do seu direito, mas, ainda assim, deixa que ele se hospede lá, onde também mora sua filha solteira, Chloé (Kristin Scott Thomas).
Baseado numa peça de teatro de Israel Horovitz, que também assina o roteiro e a direção, a narrativa de Minha Querida Dama se estrutura primeiro nessa tensão, entre Mathias querer vender o apartamento, e não poder – o que não o impede de negocial com um especulador (Stéphane Freiss), que pretende transformar todo o bairro em um conjunto de prédios. Além disso, ele deixa de lado sua recuperação e volta a beber.
 
Horovitz constrói, na verdade, um estudo de personagens, partindo da relação deles com essa propriedade privada. Mathias, o americano, é pragmático e vê na venda a resolução de todos os problemas de sua vida. Já Mathilde encara o apartamento como uma lembrança de seu passado. E para Chloé o local representa tradição familiar.
Se um ponto positivo é que a trama nem sempre segue por caminhos óbvios, por outro lado também exagera nas desgraças e infelicidades das vidas dessas pessoas. Sem negar sua origem teatral, Minha Querida Dama se apoia nos diálogos para estabelecer tensões e resoluções de conflitos – que, aliás, são muitos. Para isso, bem sabe o diretor, é preciso atores bastante competentes. O que é o caso aqui.
 
Grande dama do teatro e cinema ingleses, Maggie Smith reencontrou uma “nova fama” desde a estreia da série Downtown Abbey, na qual interpreta uma cáustica condessa, Violet Crawley. Aqui sua personagem tem um pouco da acidez de Violet, mas distante do seu porte aristocrático – afinal, ela deu aula de inglês a vida toda –, tornando-se menos corrosiva e mais generosa.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança