Sorria, Você Está Sendo Filmado

Sorria, Você Está Sendo Filmado

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Um roteirista da Globo se mata. Seus vizinhos do mesmo prédio descobrem o corpo. A partir de então, uma série de situações inusitadas se desenrolam, enquanto esperam a chegada de um telejornal da emissora que imaginam tornará todos famosos.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

04/05/2015

Mais conhecido no cinema por sucessos como Se Eu Fosse Você e sua sequência, o produtor e diretor Daniel Filho pode não buscar um novo caminho em Sorria, Você Está Sendo Filmado – O Filme, mas, reinventa o seu próprio estilo com essa comédia protagonizada por Lázaro Ramos, que interpreta um porteiro.
 
Com tom teatral – e trabalhando a partir de um roteiro assinado por ele e Fernando Ceylão –, Daniel Filho criou um longa sem cortes, com um único enquadramento – uma câmera instalada num computador -, e faz dessas “limitações” técnicas uma das razões de ser para o seu filme. O ponto de partida é o suicídio de um roteirista (Bruce Gomlevsky) de um humorístico fictício da Globo. Antes de se matar, no entanto, o sujeito ligou a câmera de seu computador e assim ela ficou.
 
Ao ouvirem um tiro, alguns vizinhos correm para o apartamento e, com a chave do porteiro, entram e se deparam com o corpo, sem notar a câmera. Começa, então, uma verdadeira saga em torno do que fazer com o corpo e como fazer. O morto não tinha amigos e o único parente mora longe.
 
A estrutura, com entrada e saída de personagens, interagindo com alguns outros num cenário que poderia muito bem ser um palco, lembra alguns humorísticos da televisão – especialmente o recente Sai De Baixo, mas sem o recurso de ver ação por diversos ângulos. Aqui, recorre-se apenas à câmera quase fixa do computador, que dá conta de praticamente toda a sala do apartamento, onde se desenvolve a ação.
 
As personagens são mais tipos do que gente de verdade – um recurso comum da comédia, bem usado aqui. Há o síndico mal-humorado (Otávio Augusto) e sua mulher, Vera (Susana Vieira), uma atriz cujo trabalho mais famoso foi a de uma personagem amiga de Regina Duarte numa novela.
 
O entra-e-sai do apartamento inclui a mulher do porteiro, empregada do suicida, Neide (Roberta Rodrigues), um corretor de imóveis (Marcos Caruso), um agente funerário (Lúcio Mauro Filho), uma dupla de paramédicos (Deborah Secco e Thiago Martins), e, finalmente, uma dupla de policiais (Juliano Cazarré e Thiago Rodrigues), entre outros. Tudo isso criando estranhamentos diante da situação.
 
Para o filme ser bem-sucedido, muito depende da sincronia do elenco. Lázaro, que fica mais tempo em cena, se destaca, como um sujeito atrapalhado e carismático. Susana também está bastante confortável e divertida no papel de uma atriz perua que vê na chance de uma entrevista a oportunidade de voltar às telas.
 
Trabalhando com um orçamento bem menor do que em seus filmes mais famosos, Daniel Filho conduz uma ação entre amigos – parte do elenco também é creditada como produtora –, e realiza seu melhor filme desde o drama Tempos de Paz. Sorria... é um filme atual ao falar da superexposição na mídia e da sociedade do espetáculo – que insiste em permanecer. Todas as personagens aguardam ansiosamente a chegada da Globo que as irá entrevistar para o telejornal – é o que acreditam.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança