Anna K.

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Joana Fonseca é uma mulher atormentada por sentir-se dividida em duas, uma delas uma recriação da personagem Anna Karenina, do romance de Liev Tolstói. Um professor de literatura russa, Vadim Nikitin, tenta ajudá-la.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

28/04/2015

Encontro entre cinema, literatura e artes plásticas, Anna K. , filme de estreia do artista plástico paulistano José Roberto Aguilar, cruza linguagens, estilos e intenções. Dotada de um apuro estético singular, fruto da parceria entre o artista e o diretor de fotografia Aloysio Raulino (que morreu no ano passado), a obra retira sua inspiração de Anna Karenina, de Liev Tolstói, que na história é a obsessão de Joana Fonseca (Leona Cavalli) – uma mulher dividida em duas personalidades, uma delas imbuída das paixões da trágica heroína do celebrado romance russo.
 
Fugindo às abordagens tradicionais da psiquiatria – embora haja em cena um psiquiatra (Antonio Carlos Cesarino) orientando tudo -, é um professor de literatura russa (Vadim Nikitin), quem se aproxima de Joana, a pretexto de aulas de russo, para trazê-la de volta à realidade, entrando no jogo de sua fantasia.
 
Não só Tolstói, mas também poemas de outros autores, como Maiakóvski, Pushkin, Pasternak e Marina Tsvetaeva, frequentam as aulas, em que se manifesta a dualidade de Joana/Ana – a primeira, tímida, a outra lasciva e sarcástica.
 
Há vários belos momentos visuais, com o uso de uma tela branca, que materializa a sobreposição dualística da personagem feminina recorrendo a  uma tela branca e água – e também passagens com o uso de tinta colorida dentro d’água. Além disso, recorre-se a dança, videoarte e performance, com uma eficiente utilização de cenografia e figurinos.
 
Mas é visível que essas boas soluções visuais não bastam para sustentar o conflito central, que se ressente de uma maior elaboração dramática. A direção de atores – apesar do talento e da entrega de Leona Cavalli – também mostra-se frágil, proporcionando diversos momentos de falas e entonações artificiais, parecendo declamadas.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança