As duas faces de janeiro

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 3 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Colette e Chester MacFarland chegam à Grécia, para férias em grande estilo. Um norte-americano ali radicado, Rydal, lhes serve de guia. Na véspera de sua partida para a próxima etapa da viagem, um detetive chega ao hotel dos MacFarland. Um incidente acontece, mudando drasticamente o destino do casal - que precisa da ajuda de Rydal para fugir.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

16/12/2014

Roteirista respeitado, a partir de seu trabalho em cults como Drive (2011) e uma indicação ao Oscar de roteiro adaptado por Asas do Amor (98), o iraniano-britânico Hossein Amini estreia na direção com outra adaptação literária, esta do suspense As duas faces de janeiro, de Patricia Highsmith (1921-1995).
 
A autora norte-americana, uma das mestras mais originais do gênero nas últimas décadas, fornece material notável à criação de uma trama crescentemente sinistra, com roteiro também de Amini, envolvendo três personagens, no cenário falsamente idílico da Grécia de 1962: o casal Chester (Viggo Mortensen) e Colette (Kirsten Dunst) e um guia norte-americano radicado naquele país, Rydal (Oscar Isaac).
 
Contando com um trio de atores experientes, Amini compõe um jogo de aparências que se desmonta cena a cena, expondo segredos precários de todos os envolvidos. É o caso de Chester e Colette, aparentemente milionários em férias, uma imagem que a chegada repentina de um detetive coloca em xeque.
 
Rydal é inesperadamente envolvido numa trama suspeita do casal, que precisa fugir com a ajuda do guia – que nunca procurou esconder a atração que lhe desperta a jovem esposa do outro. Buscando a sutileza, o diretor confia a seus personagens a alternância de climas e sensações, num equilíbrio frágil que sempre flerta com o perigo e faz justiça à autora do texto original.
 
O ponto fraco do trio, sem dúvida, é Kristen Dunst, que nem sempre dá conta do posto de loura fatal na medida, como Alfred Hitchcock aprovaria. Mas não estraga a história. Viggo e Isaac (este, um ator em ascensão desde Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum, dos irmãos Coen) sustentam um duelo de tensão, esticando ao máximo o alcance de seus estratagemas, garantindo a diversão.

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança