Tudo acontece em Nova York

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Leeward é um músico que se nega a vender a sua arte. Sua mulher, no entanto, é mais pragmática, e preocupada com a sobrevivência da família. A chegada de uma francesa, no entanto, pode mudar a dinâmica do casal.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

22/08/2014

Arte está ao centro do drama franco-americano Tudo acontece em Nova York, e como ela une e separa pessoas, ou como representa a realidade. Para tal, os diretores Ruben Amar e Lola Bessis valem-se de uma pequena família cuja vida sai do prumo com a chegada de uma artista francesa. Leeward (Dustin Guy Defa) é um músico bastante peculiar que faz o seu trabalho pela paixão, e não pelo dinheiro. Colocar um preço em sua música, para ele, seria se vender. Sua mulher, Mary (Brooke Bloom), é quem sustenta a casa trabalhando como enfermeira, enquanto o marido cuida da filha pequena (Olivia Durling Costello). E o casal vive numa crise tão séria que nem consegue escolher um nome para a menina – a mãe a chama de Maggie, e o pai, de Rainbow.
 
O que aumenta a tensão é a mania de Leeward de acolher pessoas perdidas pela cidade. Uma delas é Shiraz (Makeda Declet), e mais tarde, uma francesa, Lilas (interpretada pela codiretora, Lola Bessis). Como é uma artista, logo encontra pontos em comum com o músico, e começam a passar muito tempo juntos – para desespero de Mary.
 
Ao contrapor as personalidades do casal – Leeward: sonhador; Mary: pragmática – Tudo acontece em Nova York questiona os limites do sacrifício do artista em nome de sua arte. Aos poucos, a dupla de diretores faz um estudo de personagens e seu envolvimento com seu trabalho, e como isso pode influenciar nos relacionamentos pessoais. Especialmente os artistas cujo dilema está entre sua arte e o dinheiro a ganhar com ela. A questão central no filme se torna, então, até que ponto devemos dar apoio a quem amamos, mesmo em seus devaneios mais absurdos.
 
Construindo o filme como uma espécie de crônica, é nos personagens que a dupla de diretores, que também assina o roteiro, encontra o ponto forte para a construção das situações. Todos muito humanos em suas fragilidades e ambições, eles representam uma camada da sociedade que de tempos em tempos protagonizam filmes. Aqui, o que emerge é a humanidade deles. 

Alysson Oliveira


Trailer


Comente
Comentários:
  • 03/09/2014 - 12h25 - Por Vanessa Floripes Uma gracinha, faz o espectador ficar dividido, a mãe precisa daquela segurança, ter uma casa, ter uma rotina, trabalha sem parar, sem se divertir apenas para o bem da família, e tem um companheiro que não acrescenta nada em troca deste esforço. Para Lee, os valores, como o bem do próximo (é algo extinto que não passamos mais aos nosso filhos) está acima de qualquer conceito, também queríamos ser assim, mas não somos pela nossa responsabilidade com a família, trabalho...
    Complicado na vida e delicioso de se ver na telona, palmas para a diretora de 23 aninhos que interpreta a a artista que fica hospedada na casa do casal complicando mais ainda o relacionamento deles!!!


  • 03/09/2014 - 12h30 - Por Vanessa Floripes A foto está errada é de outro filme com o mesmo título!
  • 12/09/2014 - 13h40 - Por Luiz Vita Obrigado pelo aviso, Vanessa. Trocamos a foto.
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança