Estação Liberdade

Ficha tcnica


Avaliao do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


Pas


Sinopse

Mario Kubo é um descendente de japoneses insatisfeito com sua vida que faz uma busca por autoconhecimento ao vagar pela noite na Liberdade, famoso bairro oriental de São Paulo.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crtica Cineweb

13/08/2014

Há 102 anos, os primeiros imigrantes japoneses chegaram ao Brasil. Os que vieram para a cidade de São Paulo instalaram-se na rua Conde de Sarzedas e passaram a ocupar as vias ao redor. Talvez não imaginassem que viriam a criar um dos bairros mais icônicos da capital paulista, espécie de atração turística até para quem mora na megalópole. Com suas famosas lanternas suzurantõ que marcam o estilo oriental da decoração local, a Liberdade deixou de ser o “bairro japonês” quando, no decorrer das décadas, chineses e coreanos passaram a habitar a região.
 
A singularidade do agora chamado “bairro oriental” de São Paulo serve não só de cenário, como também é praticamente um personagem em Estação Liberdade (2013), primeiro longa de ficção de Caíto Ortiz. O diretor de Motoboys – Vida Loca (2003), premiado na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, não carrega cacoetes da sua origem como documentarista para o seu drama psicológico. Nem tampouco esquece a realidade dos descendentes de japoneses no Brasil, representada na figura de Mário Kubo (Cauê Ito), um nissei à procura de sua própria identidade.
 
Atado a uma rotina desestimulante, o gemólogo é cobrado pela própria mulher (Carolina Sudati) por sua dificuldade de se relacionar com as pessoas. Para o espectador, fica a impressão de que ele tem a sensação não pertencer àquele lugar. Porém, se não se sente um brasileiro, Mário também não é o “japa” que os outros costumam chamá-lo. Sem contato com a cultura de seus ancestrais, ele não consegue decifrar os ideogramas japoneses e ler o que está escrito na misteriosa carta que recebeu da “terra do Sol nascente”, junto com uma foto dele quando criança no colo do pai.
 
A correspondência reacende nele o trauma da falta de uma figura paterna, já que, desde que seu progenitor foi para o Japão, quando ele e os irmãos eram pequenos, nunca mais o viu. Esse é o estopim para a bomba de sentimentos acumulados pelo protagonista, que explode quando ele pega o último trem do metrô e acaba descendo na estação Liberdade. Seguindo a síntese do nome do bairro fundado pelo seu povo ancestral, o nissei foge de sua rotina e percorre as ruas, estabelecimentos e cantos mais inusitados, conhecendo um pouco mais da cultura japonesa com alguns descendentes, a exemplo do tipo misterioso interpretado por Kentaro Inoue, e cruzando com brasileiros, como a recepcionista do motel vivida por Fabiula Nascimento.
 
O longa acompanha, de maneira bem entrecortada e alternada, o dia-a-dia monótono do personagem versus a noitada regada a bebidas, cigarros, drogas e sexo. No entanto, a narrativa não-linear – na qual André Godoi, Caíto Ortiz, Giuliano Cedroni e Maria Fernanda Guerreiro pesam um pouco a mão no roteiro – somada aos close-ups da fotografia de Ralph Strelow – Hugo Takeuchi assumiu a função nas filmagens em terras nipônicas –, à edição frenética de Alexandre Boechat e Doca Corbett e à massa sonora que inclui o barulho dos vagões de trem como principal instrumento deixam uma dúvida. Será que tudo que se passa no filme é apenas um momento de liberdade do protagonista para compreender qual é sua verdadeira identidade ou este autoconhecimento não ocorre no plano físico, e sim dentro dos próprios pensamentos confusos de Mario?
 
No mais, Ortiz imprime grande força visual ao seu filme, tanto com alusões diretas – com vídeos reais logo no início – e indiretas – à água como elemento presente durante toda a película –, ao tsunami que arrasou o Japão em 2011, quanto fazendo referência à conhecida disciplina e organização do povo japonês com a recorrência de planos-detalhe em formigas. Assim como na cultura oriental, ou na ideia que se tem dela, os diálogos são escassos e dão margem ao trabalho de Cauê Ito, ator não profissional que encarna o protagonista e funciona bem nos momentos mais silenciosos ou extremamente barulhentos. Quando tem de lidar com as falas, porém, o fotógrafo na vida real soa artificial.
 
O resultado final é uma obra que não é de fácil apreensão por parte do público. Mas nem por isso o espectador, seja nikkei, brasileiro ou de qualquer lugar do mundo, deixará de se identificar ao menos em parte com as dúvidas de Mario e compartilhar de sua busca em Estação Liberdade.

Nayara Reynaud


Trailer


Deixe seu comentrio:

Imagem de segurana