Sob a pele

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 2 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Um ser de outro planeta – na forma de uma mulher – anda pelas ruas de Glasgow em busca de homens, que serão suas vítimas. Mas quem é ela? E porque age assim?


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

12/05/2014

Tal qual sua protagonista, interpretada por Scarlett Johansson, Sob a pele é um filme repleto de camadas, e que se revela aos poucos. Dirigido pelo inglês Jonathan Glazer, com roteiro dele e de Walter Campbell, o longa é vagamente inspirado num romance do holandês Michel Farber, do qual se aproveita a personagem e o clima de horror, resultando numa ficção científica que permite várias leituras. Aquela que remete a um ser estranho na Terra em busca de aventuras sexuais é a mais simplista. O que, como toda boa obra do gênero, o filme revela é mais do que há na superfície: é uma fantasia, mas também um comentário social, em seu nível mais profundo.
 
Segundo os créditos, a personagem central se chama Laura, mas isso nunca é dito. Durante muito tempo, a vemos dentro de uma van branca, interagindo com homens aleatórios na rua. A pergunta básica: você tem família ou algum vínculo social? Logo descobrimos que a moça é uma devoradora de homens – não apenas num sentido figurado. Essa busca pelo espécime masculino que se encaixe no padrão que ela precisa preencher é incessante, perigosa, excitante – para ela e para a vítima que ainda desconhece seu destino.
 
Sob a pele é um sonho ou um pesadelo. Exibido no Festival de Veneza do ano passado, dividiu opiniões – como todo grande filme, afinal, unanimidades são, em última instância, diagnóstico de que há algo de errado com os avaliadores. Glazer até hoje dirigiu apenas outros dois filmes – o drama de máfia Sexy Beast (que caberia muito bem como título aqui) e Reencarnação (título raso que inventaram aqui no Brasil, e mais confunde do que vende seu segundo e excelente filme). Em cada um – e aqui não é diferente – um poder visual muito forte. Suas tramas são contadas com poucas palavras, são mais calcadas em estímulos e pulsões, em imagens que pouco entregam e beiram a asfixia. O diretor levou quase dez anos para fazer esse filme.
 
Sob a pele poderia estar na mesma prateleira de outros horrores psicossexuais – especialmente “Repulsa ao Sexo”. Laura apenas excita, se recusa ao ato, apenas desperta, e frustra as presas que, até então, se julgavam os garanhões predadores. Nesse sentido, Scarlett Johansson, cuja beleza é impossível de ser apagada, joga contra todos os clichês que associam a imagem dela – e isso nada tem a ver com a peruca escura ou as tão comentadas cenas de nudez. Distante da caliente Cristina – uma americana vivendo aventuras amorosas e sexuais na Espanha, em “Vicky Cristina Barcelona” – aqui ela é gélida como a Glasgow que serve de cenário para o longa.
 
Laura é a fantasia de qualquer macho alfa que se transforma em pesadelo. Em outro nível, ela é a mulher independente, bem resolvida com sua vida que assusta a muitos homens no momento em que toma iniciativa; enfim, uma alienígena, como no filme.
 
Diferente de qualquer outro alienígena dando seus primeiros passos na Terra, a heroína de Sob a pele não é repleta de dúvidas ou hesitações – mostra a determinação carnívora em seu olhar tão gélido quanto envolvente. Não à toa, as primeiras imagens do filme são uma espécie de montagem desses olhos que muito verão e pouco compreenderão.
 
A direção de Glazer valoriza a criação de um clima de pesadelo do qual não se quer sair – e muito a trilha sonora de Mica Levi, cujas cordas formam os ruídos de uma forma de vida estranha. E formas de vida são o que há ao centro de Sob a pele. A jornada da alienígena na Terra é, em sua essência, uma lembrança estranha (para muitos até mesmo bizarra) daquilo que é ser humano.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança