Os 47 ronins

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 6 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

No século 18, lorde Asano entra em conflito com lorde Kira, chefe do cerimonial do xogum. Sem que Asano possa defender-se devidamente, ele é condenado ao seppuku - o que determina o fim de seu clã. Seus samurais, agora tornados ronins, juntam-se no planejamento da vingança contra Kira.


Extras

dolby digital 2.0; extra: "Os 47 ronins e o filme de Mizoguchi" (17 min.)


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

17/01/2014

Incrível história verdadeira do século 18, a saga da vingança dos 47 ronins pela morte de seu senhor, lorde Asano, é a mais encenada do teatro japonês. No cinema não ficou atrás, com pelo menos 85 versões, a primeira de 1907 (sem contar as adaptações televisivas).
 
Um oportuno lançamento da Versátil reúne num box três das melhores versões cinematográficas – que servirão, sem dúvida, como termo de comparação para a fantasiosa, e não raro estapafúrdia revisita de Hollywood ao tema, no filme estrelado por Keanu Reeves (47 Ronins, de Carls Rinsch).
 
Quem quiser realmente conhecer a história, deve ficar com os clássicos, como o de Kenji Mizoguchi, A Vingança dos 47 Ronins, a produção mais antiga da caixa, lançada em 1941, em plena II Guerra Mundial. Com quase quatro horas de duração e dividida em duas partes, a versão de Mizoguchi baseia-se na peça teatral de Seika Mayama, com cenografia do futuro diretor Kaneto Shindo (A Ilha Nua). Prima pelo respeito à verdade histórica, num relato que enfatiza o espírito de sacrifício dos principais personagens.
 
O conflito surge de um ataque de lorde Asano (Yoshizaburo Arashi) a lorde Kira (Montoyo Mimasu), chefe do protocolo do xogum há 40 anos, depois de ser afrontado em sua honra. Lorde Kira escapa ferido e Asano é condenado a cometer seppuku – o que pode determinar o total desaparecimento de seu clã, transformando seus samurais em ronins (sem mestre).
 
O enredo acompanha o lento e meticuloso preparo da vingança, por Sezaemon Oishi (Chojuro Kawarasaki), administrador de Ako, o castelo de Asano, e seu homem de confiança. Depois de aparentemente submeter-se às ordens do xogum, entregando o castelo, Oishi tenta restaurar o clã, pedindo ao xogum que Daigaku, irmão do falecido lorde Asano, seja entronizado em seu lugar. Quando o pedido é recusado, Oishi conclama os ronins, espalhados, e que já não mais acreditavam em sua liderança, para invadir a casa de Kira e matá-lo.
 
Evitando, apesar do tema, muitas cenas de violência – tanto por seu gosto pessoal como pelo peso relativo de uma censura numa época de militarismo exacerbado no Japão imperial dos anos 40 -, Mizoguchi sustenta firme o foco na celebração da rebeldia de pequenos indivíduos, subalternos como os samurais, contra a ordem injusta – no caso, a decisão equivocada do xogum no conflito entre Asano e o corrupto Kira. E assina um filme sóbrio e envolvente, que destaca pequenas histórias individuais, romances frustrados, famílias partidas. Por trás de tudo, flui a celebração e legitimidade da rebeldia contra a autoridade iníqua.
 
Algumas belas cenas – quando os ronins, à espera de julgamento, fazem uma festa, exercitando seus dotes artísticos, como canto e dança; e a cena em que lady Asano (Mitsuko Miura) envia flores aos fieis servidores do marido.
 
A segunda versão, de 1958, é 47 Ronins, de Kunio Watanabe, uma superprodução em cores, com um luxo de cenários, figurinos e participação de extras.
 
A história segue os principais eventos, diferenciando-se da versão de Mizoguchi por mostrar detalhadamente a invasão da casa de Kira (que Mizoguchi omite) e sua morte. E também o final, aqui o cortejo dos ronins após a vingança, rumo ao túmulo de seu senhor (o filme de Mizoguchi vai além disso, mostrando o julgamento dos samurais e seu posterior sacrifício).
 
Os vingadores (1962), de Hiroshi Inagaki, também em cores, é provavelmente a versão mais famosa da história, contando com a participação do astro Toshiro Mifune na pele de Gemba, um ronin e professor de lança (que não aparece nos outros dois filmes).
 
O tom aqui é mais irreverente com as autoridades, dizendo-se que os nobres estão falidos e retratando altos funcionários, como lorde Kira (Chusha Ichikawa), como corruptos insaciáveis – contra o que lorde Asano (Yuzo Kayama) se opõe energicamente. Como resultado, arma-se a intriga que culminará na agressão de Asano contra Kira e seu posterior seppuku.
 
O pacto de vingança dos ronins é assinado com sangue e, naquele momento, eles são 61 (alguns desistirão ao longo do tempo, por diversos motivos). Personalizam-se as histórias de alguns deles, mostrando seus disfarces para aproximar-se de Kira, conhecer a disposição dos ambientes de sua casa, suas renúncias pessoais e a preparação do ataque que se tornou a razão de suas vidas.
 
A invasão da mansão de Kira é, aliás, o clímax do filme, com sua dramaticidade reforçada por dar-se na penumbra. Nesse momento, Gemba, do lado de fora, mostra-se uma linha auxiliar aos samurais de Asano, não deixando passar reforços aos aliados de Kira com sua lança. Nesta versão, também não se mostra a morte de Kira – cuja covardia é salientada quando lhe oferecem a oportunidade de uma morte honrosa pelo haraquiri e ele recusa.
Como no filme de Watanabe, o final mostra os ronins vingadores num cortejo na rua, olhados com respeito pela multidão. Letreiros explicam o posterior destino destes heróis, a mais límpida expressão do bushido, o código de honra samurai, que está muito acima de um mero olho por olho, dente por dente. 

Neusa Barbosa


Comente
Comentários:
  • 21/01/2014 - 15h05 - Por Gustavo Ribeiro Matéria excelente!!!
    Teria um e-mail para eu entrar em contato com você Neusa?
    Obrigado
  • 21/01/2014 - 15h29 - Por Neusa Barbosa Obrigada, Gustavo!
    pode falar comigo neste email:

    leitor@cineweb.com.br

    abs e volte sempre!
  • 25/09/2014 - 01h02 - Por Hayllander Na sequencia dos melhores filmes que retratam este episódio. Todos excelentes filmes. No entanto nenhum superou o primeiro de Mizoguchi. Ainda tem várias outras sendo que 47 Ronin (1994) de Kon Ichikawa, apesar de lenta, foca no drama pessoal de cada Ronin antes da Vingança e por ultimo a obra The Last Chushingura (2010) lançada pela Waner Japão que encerra de forma extraordinária. Este narra a historia de um dos Ronin's que lhe foi negado o direito ao seppuku. Sua missão era cuidar da filha de Onishi até que ela se torna-se adulta completa. Um drama pois ele não poderia jamais revelar quem era a menina e foi insultado como covarde por vários anos. Enquanto isso um outro ronin teria que procurar e amparar a familia dos 47. Filmaço.
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança