O Hobbit: A Desolação de Smaug

O Hobbit: A Desolação de Smaug

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 10 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Prosseguindo sua jornada para reconquista de Erebor, os anões e o hobbit Bilbo Baggins tem que mergulhar na Floresta das Trevas, enfrentando aranhas gigantescas. No caminho, são aprisionados pelos elfos e perseguidos pelos orcs. E Bilbo tem seu encontro olhos nos olhos com o dragão Smaug, de novo acordado e ameaçador.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

22/11/2013

O Hobbit: A Desolação de Smaug não se desvia da sina dos “capítulos do meio” das trilogias. Ou seja, a obrigação de manter aceso o fogo das batalhas à espera da resolução que só virá na conclusão da saga, que só chega em 2014.
 
Conflitos, aliás, não faltam neste segundo filme, que tem algumas sequências de ação dignas de sacudir os espectadores nas poltronas – caso do enfrentamento entre Bilbo Baggins (Martin Freeman) e o esquadrão de anões às voltas com um exército de aranhas gigantes; uma fuga espetacular usando toneis, sob o fogo cerrado dos sempre horríveis e incansáveis orcs;  e também um arrepiante tetê-à-tête entre Bilbo e o dragão Smaug (que fala pelos cotovelos).
 
Se há algo a comemorar nesta sequência é o amadurecimento de Bilbo, que passa de um indivíduo caseiro e medroso a uma figura corajosa e sinceramente altruísta, sem deixar de revelar alguma ambiguidade. Isto acontece tanto por seus lances de humor quanto por um certo lado sombrio, manifestado quando ele sofre os efeitos do sempre providencial anel da invisibilidade, que ele roubou de Gollum no primeiro filme.
 
Segredo bem-guardado, o anel mágico salva Bilbo de algumas situações de risco, na longa jornada ao lado dos anões chefiados por Thorin Escudo de Carvalho (Richard Armitage) na luta para retomar o reino de Erebor, dominado por Smaug. E, ainda que as intervenções providenciais de Bilbo salvando os anões sejam incríveis, passam por exercício de coragem, não despertando a suspeita nem mesmo, aparentemente, do mago Gandalf (Ian McKellen) – que faz uma trilha em separado rumo à Montanha Solitária, deixando Bilbo e os anões entregues aos seus próprios talentos na perigosa travessia da Floresta das Trevas.
 
Até quem no futuro será aliado aqui ainda é inimigo, caso dos elfos capitaneados por Thranduil (Lee Pace), que aprisiona os anões. Uma das novidades no reino dos elfos é que as orelhas de Legolas (Orlando Bloom), bem pontudas na trilogia O Senhor dos Aneis, aqui estão arredondadas. Além disso, lhe arrumaram uma parceira, a valente Tauriel (Evangeline Lilly, da série Lost), que é a raríssima presença feminina por aqui. Mas a elfa é boa de briga.
 
Tentando manter um equilíbrio ao desdobrar um livro enxuto (300 páginas) em três filmes e não perder de vista a fidelidade ao universo criado pelo escritor J.R.R. Tolkien, o diretor Peter Jackson esmera-se em entreter os cinéfilos. Filmado em 3D a 48 quadros, este segundo capítulo circula nos cinemas em versões 2D, 3D, Imax e HFR 3D (em salas selecionadas). Tudo isso para os tolkenmaníacos sossegarem enquanto não chega o terceiro e definitivo fecho desta saga, O Hobbit: Lá e de Volta Outra Vez.  

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança