O ataque

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Cale sonha em ser agente secreto. Apesar de não conseguir o emprego, leva a filha para conhecer a Casa Branca. Nesse mesmo momento, acontece um atentado contra a vida do presidente. O rapaz pode ser a única pessoa capaz de salvar o governante.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

03/09/2013

Channing Tatum (G. I. Joe: A Origem de Cobra) e Jamie Fox (Django Livre) estrelam este novo projeto do conhecido diretor de filmes catástrofe Roland Emmerich, responsável por Godzilla, Independence Day e O Dia Depois de Amanhã. Se não bastasse esses três nomes atrair o público, uma invasão violenta e explosiva à Casa Branca, em Washington, eleva a expectativa sobre a produção.
 
No entanto, O Ataque possui alguns problemas. O primeiro, de origem, está no roteiro, muito similar a filmes como os da franquia Duro de Matar. Emmerich tem pouco a oferecer à história do policial do Capitólio, Cale (Tatum), que durante uma visita à Casa Branca com sua filha, se vê em confronto com supostos terroristas que invadiram o local.
 
Cale, um ex-militar que sonha em entrar no serviço secreto, precisa então usar toda a sua expertise de combate para salvar a todos ali dentro, incluindo o próprio presidente Sawyer (Fox). Porém Cale está muito longe do cáustico humor de John McClane, daí a necessidade de colocar o presidente quase como um alívio cômico para a história, o que soa absurdo.
 
Um segundo problema da produção é a inevitável comparação com a muito recente Invasão à Casa Branca (2013), protagonizada por Gerard Butler e dirigida pelo americano Antoine Fuqua (de Dia de Treinamento). Com argumentos muito similares – ambos falam de terroristas invadindo a residência presidencial americana –, o que muda é a identidade dos vilões, já que o protagonista também lembra McClane.
 
 
Embora nenhuma das histórias faça muito sentido, Fuqua dirige em alta voltagem e o realismo das sequências de ação na tela (literalmente visceral, em alguns casos) é muito superior ao de Emmerich. O diretor de 2012 não consegue construir um ritmo constante de tensão, tal como não traz algo novo para chamar a atenção.

Rodrigo Zavala


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança