A Busca

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 6 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Médicos, Théo e Branca estão se separando. A crise do casamento transborda para cima do filho único, Pedro, de 15 anos. Um dia, sem dizer nada, ele desaparece. Desesperado, Théo cai na estrada, seguindo todas as pistas para encontrá-lo.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

12/03/2013

Uma frequente provocação aos diretores brasileiros cobra-lhes que façam filmes como os argentinos. Ou seja, simples, narrativas focadas, temas familiares. O drama A Busca, de Luciano Moura, ajusta-se neste estrato, distanciando-se tanto das comédias de grande apelo popular quanto dos filmes de maior empenho crítico, os dois extremos em que o cinema nacional mais tem recaído.
 
Toda e qualquer classificação é relativa, claro. Mas o acerto do tom de A Busca parece ter sido confirmado pelo Prêmio do Público que o filme recebeu no Festival do Rio 2012.
 
A experiente Elena Soárez (roteirista de Xingu e Casa de Areia) assina, com Luciano Moura, o roteiro do que começa como um pesadelo em família. O casal de médicos Théo (Wagner Moura) e Branca (Mariana Lima) estão vivendo um divórcio complicado. Seu único filho, Pedro (Brás Antunes), de 15 anos, compartilha a tensão e, não raro, é mais uma vítima dela.
 
Um dia, Pedro diz que vai viajar no final de semana com um amigo. E não volta no domingo de seu aniversário, como combinado. O desespero une Théo e Branca, que se lançam numa busca frenética por casas de amigos, telefonemas a hospitais. No quarto do garoto, nenhum bilhete.
 
A Busca começa, então, como um huis clos, na atormentada casa da família, onde Theo não mora mais. Logo em seguida, torna-se um filme de estrada, em que o pai vai seguindo pistas que vão surgindo, fazendo, ele também, uma jornada de amadurecimento, um doloroso exercício de desapego de sua mania de controle.
 
Poucos atores são capazes, como Wagner Moura, de incorporar com tanta naturalidade essa variedade de registros emocionais que ele experimenta ao longo do caminho, em que o filho paira como uma presença fantasmagórica. O pai fica sabendo de seus passos e atitudes, surpreendendo-se com suas pequenas audácias para levar adiante uma aventura que Théo não sabe ainda onde vai terminar. Pelo telefone, ele conversa com Branca, retomando, também à distância, um diálogo que havia se tornado impossível.
 
Fora de sua zona de conforto, Théo vai sendo exposto a realidades múltiplas de um país tão contraditório quanto ele mesmo. Assim, passa por uma favela de beira de estrada, atravessa um rio numa balsa precária, convive com jovens numa comunidade alternativa, encara a rabugice de um velhinho (o ator Abrahão Farc, que morreu no final de 2012).
 
Por escolha dos roteiristas, a polícia não entra nesta procura. Este é um trajeto que passa ao largo das instituições e busca sua dinâmica dentro de relações íntimas e humanistas que se transformam ao longo do tempo.
 
Filho do roqueiro Arnaldo Antunes – que participa da trilha -, o estreante Brás Antunes vive um papel em que ele tem uma presença na maior parte do tempo não-verbal. Em compensação, ele divide com seu pai real os vocais da canção inédita Olha pra mim, que Arnaldo Antunes compôs especialmente para o filme.
 
No mais, o elenco tem pontas de atores de Cidade de Deus, como Leandro Firmino, e também uma boa participação de Lima Duarte.

Neusa Barbosa


Trailer


Comente
Comentários:
  • 25/03/2013 - 12h16 - Por Rodrigo A. Barbosa O filme é impressionante. Me prendeu na poltrona do cinema o tempo todo. Mas não me agradam finais repentinos. Na minha opinião, o fim do filme deixou a desejar. Além de deixar algumas duvidas (que julgo importantes) no ar. Mas tirando isso, entrou pro hall dos melhores nacionais que ja vi, e com sobra.
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança