A viagem

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 11 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Seis histórias que viajam no tempo e espaço tentam mostrar que a experiência humana é bastante parecida, independente do século ou lugar. Entre elas, um médico que tenta roubar o ouro de um aristocrata num navio no século XIX, uma repórter que investiga uma usina nuclear nos anos de 1970, e uma tribo num Havaí pós-apocalíptico que recebe a visita de uma alienígena em busca de uma alternativa de sobrevivência.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

08/01/2013

 A Viagem, dirigido pelo trio Tom Tykwer, Andy Wachowski & Lana Wachowski – são seis filmes em um. Poderia ser vantagem – pagar um ingresso e ganhar vários longas – se algum deles funcionasse direito, o que não é bem o caso. Adaptado do romance pós-moderno Cloud Atlas, do inglês David Mitchell, o enredo embaralha as histórias, que se passam em eras e lugares distintos, o que acaba evidenciando ainda mais a ideia do livro: que a experiência humana é mesmo independente do tempo e do espaço.
 
No romance, cada segmento acontece separadamente – como se fossem contos interligados - com alguns deles pontuando a divisão. Aqui, no roteiro assinado pelos diretores, as narrativas acontecem paralelamente, pulando sem parar da Inglaterra dos anos de 1930 para uma ilha havaiana num futuro pós-apocalíptico, depois para outro futuro distópico num lugar chamado Nova Seul e outros tempos e lugares.
 
O elenco tem como protagonistas Tom Hanks, Halle Berry, Jim Broadbent, Hugh Grant, Susan Sarandon, Jim Sturgess, Hugo Weaving, James D’Arcy e Ben Wishaw. Cada um interpreta diversos papéis, mudando de sexo, cor da pele ou etnia, o que é resolvido por um complexo trabalho de maquiagem. Assim, Halle faz uma jornalista nos anos de 1970 investigando uma usina nuclear, uma alienígena no futuro ou uma aristocrata judia na década de 1930. Hanks também é o membro de uma tribo, um médico num navio do século XIX ou um escritor beberrão no século XXI.
 
Tratar a nossa contemporaneidade, aliás, como presente no filme seria um equívoco, pois “A viagem” – tal qual define o pós-moderno – não distingue passado, presente e futuro. Não há propriamente um tempo presente no filme, e, no embaralhamento das cenas, é fácil perder a noção do tempo. A primeira trama acompanha um navio no século XIX onde um médico (Hanks) tenta roubar a fortuna de um aristocrata (Sturgess). Seguindo cronologicamente, nos anos de 1930, um jovem compositor (Whishaw), deixa seu amante (James D'Arcy) em Cambridge e torna-se uma espécie de secretário de um velho músico, famoso e um tanto decrépito (Broadbent), na esperança de conseguir a fama.
Na década de 1970, uma jornalista (Berry) investiga uma usina nuclear e é perseguida. Em 2012, um editor fracassado (Broadbent) reencontra o sucesso quando o autor (Hanks) do livro que publicou joga um crítico do alto de um prédio. Porém, descobre que o dinheiro que ganhou só deu para pagar as dívidas. Quando é pressionado por gângsters ligados ao escritor, o editor pede ajuda ao seu irmão (Grant), que o interna num asilo. Na futurista Nova Seul, garçonetes de uma rede de fast food são produzidas artificialmente e acabam descartadas como lixo. Uma delas (Doona Bae) se rebela contra isso. Sua mensagem ecoará por séculos numa tribo numa ilha do Pacífico, visitada por uma alienígena (Berry), que está em busca de uma alternativa de sobrevivência para seu povo.
 
Embora sejam três diretores conhecidos e experientes – os irmãos Wachowski assinaram a trilogia Matrix e o alemão Tykwer, Corra, Lola, corra – nenhum deles deixa uma marca autoral nítida em seus segmentos. Depois de quase 3 horas de projeção, o que resta na memória é uma música melosa e incessante – que tem co-autoria do próprio Tykwer, além de Reinhold Heil e Johnny Klimek -, e fragmentos de diálogos que parecem saídos diretamente de um manual de autoajuda.

Alysson Oliveira


Trailer


Comente
Comentários:
  • 11/01/2013 - 01h06 - Por marcos faria concordo com tudo que foi falado na critica, pra mim o filme foi chato e cansativo, nao via a hora de terminar
  • 14/01/2013 - 20h48 - Por Carlos Ribeiro É um padrão nas críticas no Brasil: saiu o filme da narrativa e temas tradicionais, e lineares, só enxergam defeitos. Como seria possível só se lembrar de uma música cansativa e frases de autoajuda num filme que, mesmo confuso, é curioso e instigante, além do valor como cinema em muita coisa? As Aventuras de Pi também sofre de conteúdo piegas tipo auto-ajuda e é um belo filme. Nessa área de cinema, muito mais que os filmes, são os comentaristas brasileiros que são extremamente mal resolvidos. E existe um gancho com a contemporaneidade pedante sim: aquele crítico sendo atirado lá do alto, que a vontade que a gente tem diante dessa onda de imbecilidade que infesta a internet.
  • 19/01/2013 - 21h41 - Por Paula Um filme sem pé nem cabeça, com diálogos batidos, sem profundidade alguma. A busca por uma conexão plausível entre as histórias se mostra infundada. Ao final,só resta ao espectador a sensação de perda de tempo.
  • 26/01/2013 - 22h17 - Por Cesar Munhoz Gostei do filme. Achei divertido e bem dirigido. Melhor que muitos diretores que enrolam com cenas longas e mirabolantes uma história que não dura nem 15 minutos.
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança