007 - Operação Skyfall

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 26 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Depois que M toma uma decisão radical numa missão, que quase custa sua vida, o agente 007 começa a questionar-se sobre sua missão e lealdade. Mas, quando uma figura do passado de M volta para assombrá-la, revelando a identidade de toda uma rede de agentes infiltrados em organizações terroristas pelo mundo, 007 volta à ativa com força total.



Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

18/05/2012

No terceiro filme estrelado pelo inglês Daniel Craig, 007 – Operação Skyfall, a cinquentenária franquia inspirada em Ian Fleming pisa mais fundo na renovação. Não ainda de seu protagonista que, aos 44 anos, tem contrato assinado para mais duas aventuras. Mas outros qualificados membros do time do serviço secreto MI6 estão partindo, com novas caras subindo a bordo deste lucrativo barco, que promete manter o fôlego ainda por um tempo.
 
No roteiro, assinado por Neal Purvis, Robert Wade e John Logan, as linhas mestras são relações mãe-filhos – ainda que simbólicos -, conflitos de gerações profissionais (já que ninguém que trabalhe no MI6 possa mesmo ter alguma vida pessoal) e passagem do bastão da liderança. Os tempos mudaram e nem os bandidos são mais os mesmos, recorrendo cada vez mais ao ciberterrorismo.
 
Toda aventura que se preze melhora muito com a qualidade do vilão. Por isso mesmo, uma novidade fundamental está no malvado da vez, o temível Raoul Silva, a quem o talentoso ator espanhol Javier Bardem impregna de psicologia, nuances e bastante humor, com um visual reformulado por um bizarro cabelo louro.
 
Do outro lado, está o novo Q (Ben Whishaw), o típico nerd capaz de enfrentar esse mundo do terror cibernético a partir de sua casa, de pijama, como ele diz – o total oposto de James Bond, o homem de ação que está sempre em campo, com licença para matar.
 
Mantendo uma tradição da franquia, o novo filme começa com uma sensacional sequência de ação, com uma perseguição de motos nos telhados de Istambul, com Bond e o vilão Patrice (Ola Rapace) voando baixo também entre as barracas de um mercado e entrando por numa janela do Grand Bazaar, galeria comercial do século 15 da capital turca.
 
A perseguição tem a ver com um HD contendo as identidades de inúmeros agentes infiltrados em organizações terroristas em todo o mundo, roubado por Patrice. Mesmo pulando atrás dele sobre um trem, Bond não consegue recuperar o HD e ainda leva um tiro – que visava o bandido e foi dado por ordem de M (Judi Dench).
 
Bond some uns tempos e é dado como morto. Mas todo mundo sabe que ele não morreu e vai aparecer na hora certa para dar sequência ao combate aos criminosos que estão decodificando o precioso HD. Enquanto isso, o próprio QG do MI6 em Londres sofre um atentado – e M é questionada pelo novo chefe, Garreth Mallory (Ralph Fiennes), se não é hora de pensar na aposentadoria.
 
A nova Bond girl também é de respeito, a bela e carismática inglesa Naomie Harris. No papel de Eve, ela vai mostrar seu talento até com uma navalha, embora não exatamente para matar.
 
Um interessante contraponto numa história tão centrada na tecnologia é um certo apelo ao charme do passado – afinal, é da vida pregressa de M em Hong Kong que vem o novo vilão e sua sede de vingança contra ela. Por isso, a sequência final, na Escócia, tem um apelo ao Rosebud de Cidadão Kane, entranhando-se nas origens familiares do agente Bond num velho castelo, que tem como guardião Kincade (Albert Finney), um digno mestre em antigas artes, como o manejo exímio dos fuzis de caça e a galanteria dos velhos cavaleiros. 
 
O filme venceu dois Oscars: melhor canção original e edição de som (dividida com A Hora mais Sombria).

Neusa Barbosa


Trailer


Comente
Comentários:
  • 25/10/2012 - 12h24 - Por Matheus Engraçada é a crítica brasileira: massacra um filme que é elogiado mundialmente só por fazer questão de tentar ser diferente. Infelizmente a crítica brasileira é de uma qualidade péssima...
  • 28/10/2012 - 10h36 - Por rodolfo Apesar da agitada cena inicial e da linda musica de abertura, o diretor erra em tentar fazer um filme de James bond "psicológico", proposta a meu ver equivocada. Um filme basicamente parado.
  • 30/10/2012 - 02h38 - Por Mike Tudo ao mesmo tempo...uma coisa de cada vez( Titãs)
    É incrível como Daniel Craig nos faz pensar q ele de longe é o melhor double o seven q já existiu, talvez só não melhor q Sean Connery.
    Charme, força, inteligência, sex appeal, ironia, fraqueza, um flerte com o alcoolismo, com o excesso de pílulas...humano, sem exagerar, herói exagerado, o q é Craig?
    O q é skyfall?
    Casino Royale foi arrebatador, quantum of solace incrível, skyfall absurdamente desconcertante... Assista e reassista, não vai ser fácil esquecer esse filme. Bom skyfall pra vc TBM, Ah, não esqueçam o lado de James Bond q se parece com Bruce Wayne, não se esqueçam do complexo de edipo com M, drama psicológico, ação ao extremo, cinema de primeira, se tivessem coragem levava uns oscars.
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança