As canções

Ficha técnica

  • Nome: As canções
  • Nome Original: As canções
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Brasil
  • Ano de produção: 2011
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 90 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Eduardo Coutinho
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 3 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Em seu novo documentário, o diretor Eduardo Coutinho se volta para as músicas que marcaram a vida de 18 personagens entrevistados. A maioria foi escolhida mediante anúncios de jornal e na internet.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

29/11/2011

O documentarista Eduardo Coutinho gosta de investigar os avessos. Prefere os bastidores às fachadas. Dos apartamentos de um prédio em Copacabana (Edifício Master), à religião (Santo Forte), à velhice (O Fim e o Princípio), aos sonhos de sindicalistas dos anos 70/80 (Peões) e ao próprio teatro (Moscou), muitos temas passaram pelo crivo de sua curiosidade, tão reveladora quanto respeitadora da intimidade. Um verdadeiro paradoxo, mas Coutinho é isso mesmo. A antítese do reality show.
Seu foco mais recente é o cancioneiro brasileiro, não em si, mas as músicas que ficam na memória e sintetizam os momentos mais dramáticos da vida das pessoas. No filme As Canções, são 18 personagens, de um total de 42 filmados.
 
Todos deviam estar sozinhos e sentados diante da câmera – essa era a regra do diretor. Mas ele mesmo a transgride, deixando no filme alguns momentos em que os personagens se levantam e ficam em cena, às vezes já se despedindo, porque é aí que se revelam mais significativos.  
 
O campeão de escolhas musicais é, como o diretor já esperava de antemão, Roberto Carlos. Coutinho pensou um dia em fazer um filme só sobre as músicas do cantor e compositor, mas desistiu – as negociações dos direitos seriam infernais. Aliás, As Canções é o primeiro filme de Coutinho que exige esse tipo de negociação.
 
Como sempre, a grande atração é humana. E o melhor está na história que cada um conta para explicar porque aquela determinada canção é a trilha de sua vida. Como o homem que canta “Esmeralda”, de Carlos José, e chora lembrando da mãe de 85 anos – que, ao contrário do que se poderia imaginar, está viva. O mesmo homem, pouco depois, comenta o choro, para ele mesmo, inexplicável.
 
Outra mulher reconstitui um complicado caso de amor, que a levou a seguir o amado, suspeito de traição, num táxi – e foi aconselhada pelo taxista a não flagrá-lo ali. Um fã de Jorge Benjor utiliza a câmera para recordar as várias etapas de sua complicada e afinal feliz paixão por uma certa Jacira e pede, no fim, para louvar a Deus. Uma bela mulher encerra o filme, cantando “Retrato em Branco e Preto”, de Chico Buarque, chave do epílogo de sua longa e tumultuada história de amor.
 
Não há grandes peripécias a contar nestas vidas, todas muito comuns e parecidas com as da platéia que as verá. Por isto é que uma sessão de As Canções terá tudo para se parecer com uma silenciosa terapia em grupo, em que ninguém precisa contar nada, só acompanhar no escuro. Cada um com a(s) sua (s) canção (ões) na cabeça, quem sabe concordando com algumas ouvidas na tela. Coutinho mesmo, que jurou em entrevistas que não tem a música de sua vida, é ouvido cantarolando “Fascinação” junto com uma de suas personagens. O que certamente também não estava no script.
 
Leia entrevista de Eduardo Coutinho

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança