Os nomes do amor

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 5 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Bahia Benmahmoud é filha de uma ex-hippie e de um imigrante argelino. Militante aguerrida de várias causas, ela adota como tática dormir com os conservadores que encontra, para convertê-los pela sedução. Um dia, conhece Arthur, quieto e aparentemente careta. Um relacionamento tempestuoso está para começar.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

29/11/2011

Em Os nomes do amor, seu segundo longa de ficção, o diretor francês Michel Leclerc mistura tudo – romance, política, memória, racismo, antissemitismo, identidade. A boa notícia é que se sai bem, criando uma comédia que fala sério, um filme sério em que os personagens sabem rir de si mesmos.
 
O nome da protagonista feminina, Bahia Benmahmoud (Sara Forestier), já é o protótipo da globalização, nessa mistura entre o nome do estado brasileiro – uma simpatia de seus pais – e o sobrenome argelino do pai, Mohamed (Zinedine Soualem). A mistura de sangue argelino, no entanto, é componente sério numa França dividida pelas novas leis antiimigração. E Bahia é a mais militante das militantes, não só nesta causa, como em todas.
 
Dona de uma vitalidade incansável e de uma boca duríssima, a bela Bahia é uma espécie de espírito libertário dos anos 60 atualizado para combate nos dias atuais. Efusiva representante de uma novíssima esquerda, a moça acredita que “todos os caras de direita são fascistas”. Empenhada em convertê-los, usa sua própria e peculiar versão de uma nova política do corpo – leva-os todos para a cama.
 
Um desses acasos leva-a ao encontro não exatamente de um fascista, mas a um discretíssimo veterinário, Arthur Martin (Jacques Gamblin). Ele veio participar de uma entrevista numa emissora de rádio, que é invadida por Bahia num de seus protestos individuais. Apesar de todas as claras diferenças entre estes dois opostos, eles certamente se atraem. E nasce um relacionamento para lá de tempestuoso.
 
Uma das qualidades do roteiro (assinado pelo diretor Leclerc e Baya Kasmi, premiados com um César em 2011) é o desenvolvimento dos personagens, não só os dois protagonistas, como seus pais, que entram na história representando pontos de vista em choque e que levam adiante a narrativa. Como a engajada mãe de Bahia (Carole Franck), contrastando com seu pacato marido, imigrante que prefere fazer a linha da invisibilidade, não do enfrentamento ostensivo, como a mulher e a filha.
 
Outro caso é dos pais de Arthur (Jacques Boudet e Michèle Moretti), classe média, comportados e, no caso da mãe, escondendo um segredo – sua origem judia, com o trauma da morte dos próprios pais num campo de concentração, o que ela sepultou no esquecimento.
 
Um momento impagável é quando todos estes pais se juntam num jantar no apartamento do jovem casal, gerando todo tipo de saia justa. O filme cresce nestes momentos, já que aos bons personagens são dados diálogos à sua altura, mantendo o ritmo acelerado.
 
Leclerc não poupa recursos para romper a monotonia, criando momentos de diálogo direto com a câmera e saborosas conversas entre os protagonistas adultos e seu ego criança, com efeito humorístico garantido.
 
Outro ponto alto é a participação do próprio ex-ministro socialista francês, Lionel Jospin, numa instrutiva conversa sobre a atual política francesa. Brincando, brincando, o filme faz uma saborosa autocrítica do país de Nicolas Sarkozy.
 
Nada funcionaria sem a explosão que é a atriz Sara Forestier, merecidamente premiada com um César aqui. Ela dá vida a uma personagem rara, envolvente, maluquinha e totalmente sincera. 

Neusa Barbosa


Trailer


Comente
Comentários:
  • 02/12/2011 - 08h52 - Por Natalia Oi, Neusa!
    Achei esse filme muito interessante para se pensar no que anda acontecendo na Europa hoje. E sim, Michel Leclerc nos traz essa reflexão de maneira apaixonante; o filme é muito envolvente e não perde o rebolado nunca.
    Encontrei ao diretor quando ele veio apresentar o filme em Buenos Aires, há uns meses, e também escrevi alguma coisinha sobre ele: http://duasoutrescoisasqueeuseidele.wordpress.com/2011/10/10/faca-amor-nao-faca-guerra-–-“os-nomes-do-amor”-de-michel-leclerc/

    Beijos,

    Natalia
  • 02/12/2011 - 11h21 - Por Neusa Barbosa oi Natalia!
    é verdade, o Leclerc usa o humor de forma muito boa para falar dos problemas da Europa hoje.

    Legal vc ter falado com ele, vou ler o que vc escreveu,

    bjs
  • 03/12/2011 - 01h52 - Por Fernanda É uma comédia deliciosa... e educativa...
  • 17/07/2012 - 14h02 - Por Mirelle Tavares Assisti ao filme recentemente e acredito que a vida de Bahia e Arthur se convergem ainda mais quando tantas divergências vêm à tona. "Os nomes do Amor" são a apologia à esquerda, o altruísmo aos imigrantes e aos sem pátria, a excentricidade de ambos que se transforma em generosidade. Houve algum estranhamento de início, onde os personagens explicam toda a trajetória histórica de suas origens familiares, mas tudo se explica no decorrer da trama. Fiquei incrivelmente maravilhada com esse filme. Realmente, vale a pena conferir!
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança