Dawson Ilha 10

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 3 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Depois do golpe militar de 1973, ministros e colaboradores do presidente deposto Salvador Allende foram presos sem julgamento e levados para uma ilha remota no sul do Chile, onde sofreram fome, frio e maus-tratos. Nem todos sobreviveram.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

23/11/2011

Indicado para representar o Chile na disputa por uma vaga do Oscar de filme estrangeiro em 2010, o drama Dawson Ilha 10, de Miguel Littin, coproduzido com o Brasil e a Venezuela, detalha um dos episódios mais aterradores da ditadura chilena – a prisão e o exílio dos ministros do deposto presidente Salvador Allende, em 1973, na gelada ilha Dawson, no sul do país, que se transforma num campo de concentração.
 
Baseado nas memórias de Sergio Bitar, ex-ministro de Minas do governo Allende, o filme evolui com sobriedade e detalhismo documental, retratando as precárias condições dos prisioneiros. A primeira atitude para despojá-los da dignidade pessoal ocorria imediatamente na chegada, quando cada um deles era obrigado a abrir mão do próprio nome, adotando a denominação de seu alojamento e um número. “Ilha 10” era a designação que cabia a Bitar (Benjamín Vicuña).
 
Amontoados em poucos e precários barracões, os prisioneiros chegaram a 400, já que aos ministros somaram-se auxiliares e militantes do governo deposto. Tiveram todos que defrontar-se com a dureza do clima, extremamente ventoso e frio, além de alimentação insuficiente e maus-tratos, com interrogatórios frequentes. A assistência médica inexistia, inclusive para os próprios militares, que, quando doentes, recorriam aos presos que eram médicos.
 
O mais desesperador era o isolamento, a impossibilidade de receber notícias de fora, fosse dos próprios familiares (que não sabiam se os parentes estavam vivos ou mortos) ou do próprio país. Qualquer ferramenta de comunicação, por mais simples que fosse, como um lápis, era disputada, tornando-se mercadoria de alto valor.
 
Quem consegue um inesperado acesso aos lápis é o arquiteto Miguel Lawner (interpretado pelo ator brasileiro Bertrand Duarte, de Alma Corsária). Ex-diretor da Companhia de Melhoria Urbana, Lawner interessa-se pelo restauro de uma antiga capela na ilha, conseguindo autorização do comandante para fazer um projeto da obra.
 
Munido de lápis e papel, o arquiteto realizou uma série de desenhos, retratando os companheiros e suas precárias condições de vida, que acabaram sendo clandestinamente entregues a parlamentares alemães que os visitaram, em 1974.
 
Com o tempo, outros recursos tornam-se possíveis, e os presos se apoderam clandestinamente de um rádio. O que lhe permite ter mais tristes notícias, como saber da morte do poeta Pablo Neruda – dando ocasião a uma bela sequência, em que o luto é celebrado ouvindo-se a leitura de seus poemas transmitidos através do oceano.
 
Habilmente, o experiente diretor Littin (de Atas de Marúsia e Ata Geral do Chile) evita a armadilha de um maniqueísmo militante, mostrando situações em que mesmo alguns militares, ainda que muito poucos, demonstram seu desconforto com a situação de algozes de civis presos sem processo formal. Como um jovem soldado que conversa com os prisioneiros e um sargento que divide um lanche com um deles.
 
Esta pequena brecha de humanidade não diminui o impacto da série de crimes cometidos contra esta população carcerária. Um caso exemplar foi o do ex-ministro da Defesa, José Tohá (Pablo Krögh). Subalimentado e sucumbindo às péssimas condições da prisão, caiu gravemente doente, o que não o dispensou de novos interrogatórios. Transferido para Santiago, Tohá foi morto num hospital militar, em março de 1974, divulgando-se uma falsa autópsia atestando seu suicídio.
 
No final de 1974, o campo de Dawson foi fechado. Mas restaram muitos outros, porque a ditadura chilena estava bem longe do fim, que só ocorreu em 1990.

Neusa Barbosa


Trailer


Comente
Comentários:
  • 27/11/2011 - 01h05 - Por Ana Paula Temos que aprender com nossos vizinhos, em especial o Chile e a Argentina, a fazer bons filmes sobre a ditadura brasileira. Precisamos documentar e narrar aquilo que jamais podemos esquecer; aquilo que os cursos de nossa curta memória histórica insistem em tentar esquecer ou abrandar.
  • 29/11/2011 - 11h52 - Por JOSÉ ANCHIETA DE FREITAS MAIA É um filmaço, Miguel Littin, está preparando mais um filme sobre os últimos dias de Salvador Allende.
  • 29/11/2011 - 12h41 - Por Neusa Barbosa Oi Ana:

    Acho que também estamos fazendo alguns filmes bons sobre a nossa ditadura:

    vide os documentários "Cidadão Boilesen", "Marighella" e "Uma Longa Viagem"; na ficção, "Cabra-cega", por exemplo.

    Mas concordo que podemos fazer muitos outros, assunto não falta e é necessário sempre rever esse período lamentável da nossa história.

    José Anchieta, do Littin eu aguardo sempre novidades com muita expectativa, assim como do Patricio Guzman.

    abs aos dois<

    Neusa
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança