Ex isto

Ex isto

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


País


Sinopse

E se René Descartes tivesse vindo para o Brasil, o que ele iria encontrar? É com essa pergunta que começa este documentário pouco convencional, que tem como base “Catatau”, de Paulo Leminski. O ator baiano João Miguel dá vida ao filósofo francês, que desembarca em terras brasileiras e funde passado e presente.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

08/08/2011

Ex Isto, do artista plástico e cineasta Cao Guimarães, é oficiamente um documentário e uma adaptação do romance experimental Catatau, de Paulo Leminski, publicado em 1975. No texto, o escritor e poeta curitibano faz a pergunta: "E se o filósofo francês René Descartes tivesse vindo para o Brasil?". No filme, Guimaraes faz aquilo que se espera de uma boa adaptação literária. Toma o livro para si, devora-o, e, depois joga-o fora, reinventando a obra como sua. Por isso mesmo, há tanta força e beleza nesse híbrido de documentário, ficção e experimentação. O ator João Miguel – conhecido por filmes como Estômago, Cinema, Aspirinas e Urubus e O Céu de Suely – dá vida ao filósofo, que nada diz, muito pensa e observa do mundo selvagem que está desbravando.
 
Se num primeiro momento, ele explora a mata virgem, repleta de fauna e flora, aos poucos, Ex Isto joga com o conceito de tempo. De repente, Descartes está no centro do Recife contemporâneo, interagindo com pessoas na rua, num mercado, num bar. Desse estranhamento, que faz justiça, aliás, à prosa de Leminski, nascem os questionamentos do filme, sobre identidade, sobre o mundo globalizado, sobre o Brasil e o brasileiro nos dias de hoje – tudo isso, claro, reflexo do passado, como herança de nossa história.
 
Nesse experimentalismo, os sons do Brasil ganham um papel importante. A ausência de diálogos no filme conduzem a atenção aos ruídos naturais, que vão desde a natureza até a poluição sonora das ruas e do mercado. Dessa interação surge o diálogo entre passado e presente, entre o livro de Leminski e o filme de Guimarães, entre o cinema e a literatura. O resultado não é apenas um documentário instigante porque desafia a própria linguagem documental, mas um filme que abre horizontes de representação e releitura.
 
Ex Isto faz parte do projeto Iconoclássicos, produzido pelo Itaú Cultural, uma série reunindo longas documentais sobre artistas brasileiros. Dela, já foi lançada Daquele instante em diante, sobre o músico Itamar Assunção. Nos próximos meses chegam aos cinemas Assim é, se lhe parece, sobre o artista plástico Nelson Leiner; EVOÉ! Retrato de um antropófago, que aborda a vida e obra do dramaturgo e diretor teatral José Celso Martinez Corrêa; e, por fim, Mr Sganzerla – Os signos da Luz, um filme-ensaio que recria o ideário do cineasta Rogério Sganzerla.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança