Atração perigosa

Atração perigosa

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 4 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Doug MacRay é o líder de uma eficiente gangue de ladrões de bancos em Boston. Eles sempre são ultra-rápidos e usam máscaras, escapando de serem identificados. Um dia, algo sai errado e eles tem que levar uma refém para escapar. Ela é solta mas eles descobrem que ela é sua vizinha de bairro.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

28/10/2010

Galã consagrado por filmes como Intrigas de Estado (09) e O Pagamento (03), Ben Affleck faz sua segunda tentativa na direção no policial Atração Perigosa, em que ele, aliás, é também protagonista.
Adaptando, ao lado dos roteiristas Peter Craig e Aaron Stockard, o livro O Príncipe dos Ladrões, de Chuck Hogan, Affleck teve a alegria de ver seu filme galgar os primeiros postos da bilheteria americana, em setembro passado, consagrando-o como diretor. O primeiro filme que dirigiu, o drama Medo da verdade (2007) teve resultados bem mais modestos e, no Brasil, foi lançado diretamente em DVD.
Affleck interpreta Doug MacRay, o sutil e esperto líder de uma gangue de ladrões de banco em Boston. O filme começa com uma de suas ações, nas quais invariavelmente eles usam máscaras.
Mantendo um controle rígido do tempo de cada etapa do assalto, eles são surpreendidos pelo imprevisto acionamento de um alarme por um gerente – o que leva um dos ladrões, o impulsivo James (Jeremy Renner, de Guerra ao terror), a agredi-lo, o que não faz parte dos métodos aprovados por Doug.
Pior ainda, como a polícia chegou, os ladrões tomam uma refém, a bancária Claire (Rebecca Hall, de Vicky Cristina Barcelona), que tem seus olhos vendados e é solta pouco depois.
O incidente coloca a quadrilha de sobreaviso. Um sinal de alerta surge quando Doug descobre que Claire mora na mesma vizinhança que todos eles, o bairro de classe média de Charlestown.
Nada indica que a moça tenha podido ver qualquer coisa que os identificasse, o que ela repete em seus depoimentos à polícia. Mas o agente do FBI Adam Frawley (Jon Hamm, do seriado Madmen) não está nada convencido e vigia Claire de perto, acreditando que pode ter algo a ver com os bandidos.
De seu lado, Doug e James também estão de olho na moça, com objetivos bem diferentes. James quer matá-la ao primeiro indício de que ela possa entregá-los. Doug o controla porque sua intenção é evitar violência.
Inesperadamente, Doug se apaixona por Claire e aproxima-se dela de uma forma que coloca os dois em risco – e aumenta as suspeitas de Adam, que acompanha de perto os passos de Doug, um ladrão esperto demais para deixar pistas, que tem um pai na prisão (Chris Cooper), mas também uma fachada honesta, com um emprego legal, numa construção.
Montado esse cenário explosivo, o filme é conduzido com ritmo e energia eletrizante, com ótimas sequências de perseguição pelas ruas de Boston. São pontos altos a montagem, de Dylan Tichenor, e a fotografia, de Robert Elswit.
Affleck mostra-se um diretor afinado com seu material, conduzindo muito bem seu ótimo elenco. Ele mesmo, que nunca se mostrou até aqui um ator excepcional, dá conta do recado, criando credibilidade num personagem dúbio. Ao mesmo tempo que é inegavelmente um fora-da-lei, Doug tem honra e sentimentos que levam o espectador a simpatizar com ele em vários momentos.
Fora isso, a história dá conta de enfatizar as complexas relações de poder do submundo, dando destaque à chantagem exercida pelo chefão Fergus, o “florista” (Pete Postlethwaite), contra Doug e seu pai preso. O romance entre Doug e Claire também escapa das banalidades melosas do gênero, que o título brasileiro, meio bobo, procurou enfatizar de uma forma clichê.

Neusa Barbosa


Comente
Comentários:
  • 29/10/2010 - 07h24 - Por Otávio Neusa, vc voltou!!!
    Vivaaa!!!
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança