Esquadrão Classe A

Esquadrão Classe A

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 7 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Hannibal, um ex-Ranger, forma um grupo de mercenários, que depois de ser julgado, expulso do exército e presos, escapam e vivem às escondidas, lidando com missões perigosas que ninguém mais aceitaria.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

07/06/2010

 
Numa época em que qualquer coisa minimamente pop é passível de ser refeita, até que demorou muito para a equipe do programa de TV Esquadrão Classe A chegar aos cinemas. Protagonistas de uma das séries de ação mais populares da década de 1980, os quatro mercenários parecem não terem envelhecido um dia sequer – até porque, desta vez, são interpretados por Liam Neeson (O preço da traição), Bradley Cooper (Se beber, não case), o lutador de artes marciais Quinton 'Rampage' Jackson e Sharlto Copley (o protagonista de Distrito 9).
 
Os atores são novos, os aparatos também, mas o espírito da série parece não ter mudado nesse longa, que estreia em circuito nacional, em cópias dubladas e legendadas. O filme é dirigido por Joe Carnahan (A última cartada), a partir do roteiro escrito por ele e Brian Bloom, que também atua. O perfil dos personagens é o mesmo da série: Hannibal (Neeson) é o chefe; Cara-de-pau (Cooper), o galã; BA (Jackson), apesar de todo o tamanho e a cara de mau é o mais doce; e Murdock (Copley) é louco – literalmente.
 
O filme conta como se formou o esquadrão, que dessa vez, ao contrário do original, em que eram veteranos do Vietnã, e agora são do Iraque. Como no original, acabam caindo numa armadilha, presos e julgados numa corte marcial. Sentenciados, passam a viver escondidos, quando conseguem fugir da prisão.
 
Essa é só a metade do filme que, depois de apresentar os personagens e seus perfis, engata uma história que tem a ver com o motivo da prisão do grupo. Tentar entender ou levar a sério o que está realmente acontecendo é pura bobagem. A diversão em “Esquadrão Classe A” nunca está no porque as coisas acontecem, mas sim no como elas acontecem.
 
A desculpa para as perseguições, pancadas e tiros é uma maleta com matrizes para a produção de notas de dólares. Esse, como diria o diretor Alfred Hitchcock, é o MacGuffin do filme, ou seja, um elemento sem qualquer valor narrativo, mas que serve como causa para boa parte da ação. E, no quesito ação, Esquadrão Classe A não deve decepcionar.
 
Os vilões, por sua vez, custam a se revelar mas, quando o fazem, pancadas, perseguições e tiroteios acontecem sem parar – até porque, realmente, esses são os únicos elementos que contam no filme. Patrick Wilson (Watchmen) é Lynch, um agente da CIA sobre quem se sabe muito pouco. Brian Bloom é Pike, um sujeito que trabalha para o exército, e cujo caráter não parece ser dos mais confiáveis.
 
A única presença feminina que conta no filme é Jessica Biel (de Idas e Vindas do Amor), uma oficial do exército cuja patente é rebaixada depois da armadilha na qual caem os membros do esquadrão. Ela é ex-namorada de Cara-de-Pau – e como as coisas não acabaram muito bem, existe sempre uma tensão no ar.
 
Esquadrão Classe A parece reunir todos os elementos necessários para a série ganhar um fôlego cinematográfico, ação, humor, mulher bonita, lutas, perseguições e tiros. Se o filme fizer sucesso de bilheteria, pode abrir as portas para outras adaptações, como “Miami Vice” ensaiou em 2006, mas não conseguiu. Que venham então McGyver e sua “Profissão: Perigo”, com suas geringonças, como explosivos feitos a partir de chicletes e tubos de desodorantes.  

Alysson Oliveira


Comente
Comentários:
  • 06/07/2010 - 03h11 - Por emanuele garcia muito chato

    vcs nao tem outro filme para fazer nao
  • 10/07/2010 - 19h03 - Por Maurício Não vejo a hora de ver o Esquadrão, que saudade... Chato vai ser o McGyver, pelo amor de deus tem que ser muito ninja pra virar aquilo num filme...
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança