Preciosa

Ficha técnica

  • Nome: Preciosa
  • Nome Original: Precious: Based on the Novel Push by Sapphire
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 2009
  • Gênero: Drama
  • Duração: 110 min
  • Classificação: 14 anos
  • Direção: Lee Daniels
  • Elenco: Gabourey Sidibe, Mo'Nique, Paula Patton

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 38 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Preciosa é uma adolescente que sofre abuso sexual do pai, e passa por sua segunda gravidez. A mãe também não a protege, e culpa a filha por ter roubado seu homem. Em meio a tantos problemas, a garota encontra uma professora disposta a ajudar.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

08/02/2010

Claireece Preciosa Jones tem 16 anos, é analfabeta e obesa. Ela frequenta a escola, mas é motivo de zombaria. Está grávida pela segunda vez – novamente, como resultado de um estupro de seu próprio pai. Sua mãe, ao invés de a defender, acusa a garota de roubar o seu homem e a espanca. É um mundo cruel esse de Preciosa – mas um pingo de esperança a faz seguir em frente, apesar da baixa auto-estima e do desespero.
 
Essa é a premissa de Preciosa, que venceu dois Oscar - roteiro adaptado e atriz coadjuvante (Mo'Nique). A personagem central é interpretada pela estreante Gabourey Sidibe, e é difícil imaginar o filme com outra atriz no papel-título. Ela é capaz de encarnar esta sofredora sem transformá-la em mártir, sem torná-la uma causa social, mas apenas uma garota de 16 anos que passou por uma vida cheia de abusos e que, mesmo assim, encontra um novo caminho.
 
Desde que estreou no Festival de Sundance, em janeiro de 2009, onde ganhou o prêmio de público e do júri, Preciosa conquistou dois fãs de peso: a apresentadora Oprah Winfrey e o diretor e comediante Tyler Perry (Diário de uma louca). O roteiro – indicado ao Oscar na categoria de melhor roteiro adaptado – baseia-se num romance da poetisa Sapphire, que foi professora no Harlem, onde conviveu com muitas garotas parecidas com suas personagens. O livro é uma homenagem a outro romance, “A cor púrpura”, de Alice Walker – e que, aliás, torna-se fundamental na vida de Preciosa.
 
A esperança entra na vida da garota através da professora Blu Rain (Paula Patton, de Déjà Vu), que Preciosa conhece quando se matricula numa escola alternativa, onde estudam garotas tão problemáticas quanto ela. A professora é a única pessoa que mantém a fé em todas as alunas, esforçando-se para que aprendam a ler e escrever, entrem para uma universidade e mudem de rumo.
 
A diferença entre a srta. Rain e todas as outras pessoas em torno de Preciosa e suas colegas é que a professora nota essas meninas – enquanto para o resto da humanidade elas parecem simplesmente não existir. Ela é a única capaz de ver além das aparências e da linguagem vulgar da protagonista e perceber que há uma menina desesperada ali que foi obrigada a crescer à força e sem opções.
 
A mãe de Preciosa, Mary – interpretada pela comediante Mo’Nique –, não apenas ignora a filha, como também a transforma em sua serviçal e saco da pancadas. As duas moram num pequeno apartamento no Harlem, de onde Mary praticamente não sai, passando todo o tempo diante da televisão. Um de seus raros contatos com o mundo externo é a visita mensal de uma assistente social, de quem depende a continuidade do recebimento do dinheiro da previdência social que sustenta a família. Nessa ocasião, Mary manda trazer para sua casa a primeira filha de Preciosa, uma menina que vive com a avó e tem síndrome de Down.
 
Os únicos momentos de alívio na vida de Preciosa são suas fantasias, nas quais se imagina linda, rica e amada – especialmente por belos rapazes. Isso é apenas uma válvula de escape de uma garota que cresceu junto a pais que são verdadeiros monstros. O único momento em que Mary deixa transparecer um lado humano é no clímax, perto do final do filme – num diálogo que, se permite compreender suas razões, não a absolve dos trágicos erros em relação à filha.
 
O diretor, Lee Daniels, tem em seu currículo apenas outro filme (Matadores de Aluguel), além de outros como produtor – entre eles o premiado A última ceia, de Marc Forster, que rendeu a Halle Berry o Oscar de melhor atriz em 2002. Para aquele filme, a atriz deixou de lado qualquer glamour, entregando-se ao personagem. O mesmo acontece aqui com a cantora Mariah Carey – praticamente irreconhecível no papel de uma assistente social que toma o partido de Preciosa contra sua mãe.
 
Gabourey Sidibe, na sua composição da protagonista, é capaz de partir corações, sem nunca apelar para emoções ou lágrimas fáceis. O filme é o retrato de uma menina que tenta sobreviver a uma vida duríssima. A atriz, em seu primeiro papel, é capaz de transcender rótulos e criar uma personagem cujo sofrimento parece tão real quanto sua humanidade. É fácil entender porque a professora e a assistente social compram a briga por ela – muita gente faria o mesmo.

Alysson Oliveira


Trailer


Comente
Comentários:
  • 22/02/2010 - 17h44 - Por Cassia Adorei o filme! O diálogo da mãe da protagonista com a assistente social, no final do filme é um soco no estomago.
    Preciosa é uma menina absolutamente real, como tantas que existem no mundo e que passam despercebidas, por não se enquadrarem nos estereótipos estabelecidos pela sociedade. Uma menina que apesar de tantos sofrimentos, ainda consegue sonhar!
    O final é inteligente e verossível.
    Não é um filme fácil e nem para aqueles que adoram bombas, explosões, socos e corridas de automóvel. Mas com certeza é um filme que fica na cabeça durante um bom tempo.
    Vale a pena!
  • 02/12/2010 - 14h38 - Por alberto de sousa o filme e muito interesante, presiosa e uma menina guereira.




    Beijos!!!!!!!!!!!!!!!
  • 12/01/2011 - 13h56 - Por daniella o filme é muito bom relata uma historia que hoje é real na vida de muitas jovens "crianças".
    é maravilhoso.
    beijosssss
  • 02/05/2011 - 16h20 - Por Erica adorei o filme ,porque ele mostra desigualdade social , e nos faz refletir mais sobre o preconceito ,
    obs:como eu assisti em sala de aula fez com que todos pensassem no assunto ,antes de fazer alguma coisa que possa machucar os outros :*
  • 13/08/2012 - 16h14 - Por leticia Excelente filme, inclusive foi tema do meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) no curso de Letras!
  • 14/08/2013 - 16h31 - Por Elizabeth Muito bom o filme, retrata uma realidade que vivemos nos
    dias atuais, inclusive sou Professora de Psicanálise e vou utilizá-lo em minhas próximas aulas.
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança