Inimigo Público n° 1 – Instinto de Morte

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Nascido numa família de classe média, Jacques Mesrine faz serviço militar na Argélia, no final dos anos 50. Volta da guerra colonial francesa para tornar-se um dos mais audaciosos ladrões e sequestradores da França, que chegou a agir também no Canadá e na Venezuela.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

02/07/2009

Diretor com apenas quatro filmes no currículo, apenas um deles exibido no Brasil – Assalto à 13ª. DP, de 2005 – o francês Jean-François Richet garantiu uma indiscutível ascensão profissional com Inimigo Público no. 1 – Instinto de Morte, que venceu três César, o principal prêmio cinematográfico da França: melhor diretor, som e ator (Vincent Cassel).

Conhecido do público brasileiro em filmes como Rios Vermelhos (2000) e Senhores do Crime (2007), Cassel se transfigura, com olhos e cabelos escurecidos e 20 kg a mais de peso para interpretar Jacques Mesrine (1936-1979), um dos gângsters mais célebres da França e que estendeu sua carreira criminosa também ao Canadá e à Venezuela.

Bandido perigoso, inteligente e temido, Mesrine cometeu assaltos à mão armada, a bancos, sequestros e mortes, além de fugas espetaculares de várias prisões. Entre uma coisa e outra, encontrou tempo e disposição também para escrever uma autobiografia nos anos 60, que serve de ponto de partida ao roteiro assinado por Abdel Raouf Dafri. Um roteiro, aliás, que foi desdobrado em dois filmes, este Inimigo Público no. 1 – Instinto de Morte e sua sequência, Inimigo Público no. 1 – Parte 2 (título provisório), ainda sem data de estréia confirmada no Brasil, visando dar conta das várias facetas de um personagem tão famoso quanto enigmático. Os dois filmes foram um sucesso de bilheteria na França, atraindo nove milhões de espectadores em 2008.

Esta primeira parte acompanha o gradativo mergulho de Jacques Mesrine no crime. Nascido em Clichy, numa família de classe média, ele vai em 1956 servir na Guerra da Argélia. Participando como soldado de diversas brutalidades e de execuções de ativistas argelinos rebelados contra os colonizadores franceses, Mesrine experimenta seu primeiro contato com a violência – deflagrando, talvez, o lado obscuro de sua natureza.

De volta à casa três anos depois, condecorado, o rapaz parecia destinado a uma vida pacata, num emprego como comerciante de rendas arranjado por seu pai (Michel Duchaussoy, de Arthur e os Minimoys). A amizade com Paul (Gilles Lellouche), um pequeno marginal, desvia Jacques dessa rota. Com o amigo, começa a praticar furtos e a tomar gosto pela adrenalina desta vida, por enquanto clandestina. Numa viagem à Espanha, conhece Sofia (Elena Anaya, de Pecados Inocentes), jovem que desconhece sua vida dupla e se apaixona por ele. Em 1961, os dois se casam e têm três filhos.

A vida bandida de Jacques termina conduzindo-o pela primeira vez à prisão. Na saída, mais uma vez, ele tenta sair do crime e encontra um trabalho regular. Não demora muito, o fascínio pelo crime, o poder, o dinheiro fácil, a influência de Paul e também do “capo” Guido (Gérard Depardieu) restituem Mesrine à vida criminosa, por mais que sua mulher tente demovê-lo. Ela mesma se torna alvo de sua violência e termina por abandoná-lo.

De façanha em façanha, Mesrine já era a essa altura, final dos anos 60, um bandido famoso e caçado implacavelmente pela polícia. Associado a uma nova amante, Jeanne Schneider (Cécile de France, de Um Lugar na Platéia), pratica inúmeros assaltos e foge para o Canadá – onde sua carreira terá alguns de seus episódios mais espetaculares.

Empregados como copeira e motorista na casa de um milionário paraplégico, Jacques e Jeanne terminam por sequestrá-lo – uma ação fracassada que os levará à prisão. Mesrine acaba na penitenciária Saint Vincent de Paul, em que vigora um sistema abusivo e implacável, que inclui torturas – e ao expô-las com tanta crueza o filme faz um comentário eloquente sobre os mecanismos do aparelho de Estado para tolher seus transgressores. Verdadeira fortaleza, o lugar é supostamente à prova de fugas, mas será palco de mais uma incrível escapada de Mesrine em 1972 – que teve a ousadia de ali voltar, 15 dias depois, para libertar outros comparsas que ficaram para trás, uma ação que provocou várias mortes.

Com uma montagem ágil, de Hervé Schneid, o filme mantém a tensão e o foco na transformação de Mesrine num supercriminoso. Vivendo numa época marcada pelas ideologias, não faltou quem enxergasse em Mesrine uma espécie de Robin Hood (o que nunca foi) ou rebelde contra o Estado constituído. Ele mesmo não se furtava a declarações do tipo: “Não gosto de leis, elas foram feitas pelos ricos e fortes” e “Não gosto do Estado”. Contando com um roteiro sólido e uma competente ambientação de época, Inimigo Público no. 1 – Instinto de Morte sai-se bem no desafio de não romantizar seu protagonista, evitando sucumbir ao sinistro carisma daquele que virou personagem midiático, tema de livros e canções na França nas últimas décadas, mas cuja verdade humana inteira permanece inacessível.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança