Duas Vezes com Helena

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

17/02/2003

Estranhamento é a palavra de ordem nesse curioso triângulo amoroso formado pelo professor Alberto (Carlos Gregório), sua esposa Helena (Christine Fernandes) e o jovem Polydoro (Fábio Assunção). Este último retorna de uma viagem à Europa e é convidado por Alberto a passar um fim de semana em Campos do Jordão. Ao chegar no local, o rapaz só encontra Helena, já que seu mentor tivera de retornar a São Paulo para tratar de assuntos urgentes. Ambos se entregam à traição e Polydoro, encabulado com o ocorrido, se afasta do casal. Vinte e cinco anos mais tarde, ele reencontra o antigo amigo e a esposa e descobre-se vítima de um plano arquitetado especialmente para aquela data.

Para armar essa história, o diretor Mauro Farias dividiu o filme em duas narrativas bem diferentes. A primeira é contada por Polydoro enquanto que, na segunda, quem tem voz é Helena. Ousada, a técnica quase transforma Duas Vezes com Helena em duas fitas distintas, não fosse pelos recursos de flash backs e de imagens projetadas, que interagem com os personagens e respondem pela contextualização, em ambas as partes.

Baseado num conto de Paulo Emílio Salles Gomes, o filme agrupa alguns elementos interessantes como a misteriosa ambientação do primeiro encontro entre Polydoro e Helena, que nos imprime uma incontestável sensação de dubiedade, muito embora não consigamos, a priori, identificar a razão desse sentimento. Outro ponto que merece menção é a convicção política dos personagens. Polydoro, em meio à II Guerra Mundial, flerta com os ideais fascistas. Alberto, em contrapartida, condena as opiniões do jovem discípulo. No entanto, quem é vitimado por um plano que poderia perfeitamente fazer parte dos arquivos dos cientistas nazistas é Polydoro que, mesmo com algumas pistas evidentes, não consegue sequer imaginar seu papel na trama.

Duas Vezes com Helena, no entanto, incorre em alguns excessos que o deixam um tanto fatigante. O filme assume um tom excessivamente literário, como a quase totalidade das adaptações, e soa, em muitos momentos, como algo falso. Talvez isso se dê pelo fato de a fita ser ambientada nos anos 40 e por abordar um relacionamento entre um jovem e um professor, ambos bastante eruditos. O resultado final é uma produção bem formal que se apega a inúmeros elementos para alcançar um determinado efeito estético, mas que consegue despertar no espectador um certo incômodo e uma reflexão sobre a manipulação à qual é submetido o protagonista da história .

Cineweb-8/2/2002

Luara Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança