A Garota Ideal

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Lars é um jovem calado, sem muitos amigos e uma vida tranquila. Sua cunhada vive preocupada com ele por causa disso. Mas ele arruma uma namorada. No entanto, quanto apresenta à família, todos descobrem que ele se ‘envolveu’ com uma boneca.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

14/05/2009

Garota Ideal é um filme independente e, como tal, segue a cartilha do gênero. A história se passa num lugar não identificado dos Estados Unidos (mas foi rodado em Ontário, no Canadá), os atores são relativamente conhecidos (mas quase ninguém realmente lembra os nomes deles) e a história é agridoce, com um subtexto com alguma mensagem político-social (no caso, tolerância e compreensão).

Apesar de todos os clichês indies, A Garota Ideal ainda encontra algum frescor, mesmo tendo seu centro em um tema tão batido: um jovem tenta superar as perdas e dores do passado ao entrar na vida adulta. A novidade se deve ao catalisador dessa transformação: uma boneca de silicone, da altura de uma mulher, que o rapaz leva para todos os lados fingindo ser sua namorada de carne e osso.

Esse é Lars, vivido com compaixão por Ryan Gosling (A Passagem). Ele é um sujeito tão legal que, quando surge com sua nova amada, ninguém tem coragem de lhe dizer a verdade, ou sugerir algum remédio faixa preta. Todos os conhecidos da cidadezinha onde ele e a família moram embarcam na farsa para preservar o coração do pobre Lars.

Lars vive na garagem da casa do irmão Gus (Paul Schneider, de Tudo Em Família) e Karin (Emily Mortimer, de A Pantera Cor-de-Rosa 2). Porém, quando ela fica grávida, o maior fantasma da vida do rapaz volta: o medo do abandono. Nessa mesma época surge Bianca, a “namorada” de Lars, uma missionária descendente de brasileiros e dinamarqueses, que desfruta de ano sabático para conhecer o mundo.

Gus e Karin decidem levar Lars e Bianca à psicóloga da família, Dagmar (Patricia Clarkson, de Fatal). Ela acredita que o rapaz está tentando lidar com suas dores e, por isso, sugere à família manter a farsa. Mas ela quer que o protagonista leve a nova namorada ao seu consultório toda semana – assim ela pretende tratá-lo.

Dirigido por Craig Gillespie (Em Pé de Guerra), a partir de um roteiro de Nancy Oliver (uma das roteiristas da série À Sete Palmos), A Garota Ideal consegue ser um filme com os pés no chão, sem se deixar abater ou levar pelas piadas ou baixaria que o tema poderia incitar. O problema é que, no fundo, tudo converge para uma única situação: a boneca de silicone, que rouba a cena, quando deveria ser Lars, sobre como ele parece ser um tolo, mas é um verdadeiro mártir. As pessoas podem rir dele – talvez às escondidas – mas Lars é a forma de redenção que elas irão encontrar.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança