Um Louco Apaixonado

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Sidney Young é um jornalista inglês convidado para trabalhar numa revista americana de celebridades. Chegando a Nova York, descobre que o mundo do glamour é mais complicado e perigoso do que imaginava.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

26/03/2009

O Diabo Veste Prada ganha uma versão masculina e menos sagaz, que atende pelo nome de Um Louco Apaixonado. Baseado no livro de memórias Como Perder Amigos e Alienar Pessoas (um título bem mais inteligente do que a versão brasileira), do jornalista inglês Toby Young, o filme traz como protagonista um sujeito insuportável e sem graça e, dada a sua falta de bom senso, é de se estranhar que tenha durado mais de uma semana na redação de uma grande revista.

Toby Young começou fazendo jornalismo na Inglaterra, onde criticava e gozava de tudo – menos de si mesmo. Anos depois, foi para a famosa revista Vanity Fair, em Nova York, onde descobriu que o mundo das celebridades e glamour é muito mais perigoso do que fascinante. No filme, o personagem ganha o nome de Sidney Young e é interpretado pelo ator inglês Simon Pegg, que mostrara muito mais timing para comédia em Todo Mundo Quase Morto. Mas, justiça seja feita, aquele filme tinha um roteiro bem melhor.

O Young da ficção chega a Nova York para trabalhar na revista Sharps, sob a chefia de Clayton Harding (Jeff Bridges, de Homem de Ferro), um sujeito tão pedante quanto mandão. Sidney, por sua vez, só faz besteiras. Não que alguém se importe com isso, pois o filme o pinta como um sujeito tão arrogante, tão cheio de si que é impossível ter qualquer simpatia pelo personagem.

Sidney descobrirá os altos e baixos da carreira, percebendo que a maioria das matérias têm, em algum momento, o dedo dos poderosos relações públicas. A mais importante nessa área é Eleanor Johnson (Gillian Anderson, a Dana Scully da série Arquivo X), que tem interesse em colocar seus clientes nas páginas da Sharps.

A estrelinha em ascensão Sophie Maes (Megan Fox, de Transformers) é a principal dos artistas representados por Eleanor. A moça acaba de ser indicada a um prêmio por ter interpretado uma jovem e apaixonada Madre Teresa de Calcutá no cinema. Bonita e sensual, torna-se objeto de desejo de Sidney, que poderá fazer o jogo da RP só para conseguir a atenção da moça.

Uma referência que aparece mais de uma vez em Um Louco Apaixonado é o clássico A Doce Vida, de Federico Fellini. No filme italiano, um jornalista (Marcello Mastroianni) desvendava o mundo das celebridades. Claramente, aqui, o diretor Robert B. Weide (da série Curb your Enthusiasm) mira em algo parecido, que, levemente, poderia se chamar de sátira. Mas a veia cômica e sagaz dele não funciona tão bem e os diálogos e situações raramente fazem rir.

Completando o quadro, estão personagens planos que mais parecem caricaturas do que seres humanos. A única a tentar injetar alguma humanidade em seu personagem é Kirsten Dunst (de Homem-Aranha), mas ela acaba sendo uma voz solitária em meio a tanta gente se esforçando para parecer artificial.

Como seu protagonista, Um Louco Apaixonado esforça-se demais para ser o que não é e perde a chance de ser aquilo que poderia ser. As conexões entre personagens e acontecimentos, por exemplo, sempre parecem forçadas. No fim, nada faz muito sentido, nem mesmo uma sessão de “A Doce Vida” vista por personagens do filme num parque em Nova York e sem legendas – como se esse tipo de coisa fosse assim tão comum.

Alysson Oliveira


Comente
Comentários:
  • 13/09/2010 - 16h43 - Por domenica*_* adorei o filme nossa foi dificil encntrar mas achei e comprei ja viumas 30 vezes e o perssonagem q eu mais gosto e a megan fox ador ela ja vi todos os seus filmes desde ferias ao sol a johna hex e bom de mais ..
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança