Speed Racer

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Speed Racer (Emile Hirsh) é um talento nato para corridas. Porém, o trauma da perda de seu irmão o atrapalha em sua carreira. Com a ajuda de sua namorada (Christina Ricci), ele se associa a um ex-rival, para vencer o disputado rally The Crucible.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

08/05/2008

Com impressionantes cenários digitais e corridas de deixar o espectador sem fôlego, os irmãos Andy e Larry Wachowski (da trilogia Matrix) voltam aos cinemas com esta adaptação do desenho homônimo japonês, que fez sucesso nas décadas de 1960 e 1970, e deixou um grupo de nostálgicos fãs. A produção registrao que há de melhor dos irmãos cineastas e o que há de pior também.

Voltado para a geração do videogame, com seu colorido excessivo e ritmo acelerado, Speed Racer procura fazer sucesso com seu público-alvo, os adolescentes, sem deixar de lado os seus órfãos quarentões. Ao mesmo tempo, consegue ser uma história leve, didática para quem não a conhece - há flashbacks por todo o desenrolar da projeção - e, o mais importante, sem desvirtuar a premissa original.

Speed Racer (Emile Hirsh, de Na Natureza Selvagem) é um campeão das pistas de automobilismo, a bordo de seu Mach 5, que cresceu à sombra do sucesso de seu irmão mais velho, dado como morto. Por seu indiscutível talento, o piloto começa a ser assediado para tornar-se o piloto oficial de uma corporação, que domina o circuito.

O primeiro dilema que o herói irá enfrentar é exatamente se deixará a escuderia familiar, e a genialidade de seu pai, Pops (John Goodman, uma das vozes de Carros), para se “vender” aos demônios dos grandes conglomerados. Como é de se esperar, Speed diz não aos confortos e planos suspeitos da corporação e, por isso, terá de enfrentá-la.

Para ajudá-lo, surge na história o misterioso Corredor X (Matthew Fox, da série Lost), que é ninguém menos do que o irmão até então tido como falecido. Quem já assistiu ao desenho dublado, dificilmente esquece da voz estridente do narrador repetindo à exaustão: “o que Speed não sabia era que o corredor X era na verdade o seu irmão...”.

É nas corridas sujas e nos carros adulterados pela corporação, que os irmãos Wachowski mostram que estão afiados, exibindo manobras que desafiam as leis da gravidade, vôos e aterrissagens explosivas e muitas explosões para animar a platéia.

No entanto, embora o visual surpreenda, o conteúdo capenga. Diferentemente do que ocorre nos disputados ralis, o filme perde seu ritmo com uma profusão de dilemas e problemas emocionais familiares, dos quais o Corredor X é apenas exemplo.

Nesse ponto, Susan Sarandon se destaca como a matriarca sensível aos anseios de sua família, um verdadeiro alicerce moral dos Racers. No fim, não parece ser muito distinto dos grandes dramas que a atriz se acostumou a fazer nos últimos anos, mas que parece exagerado neste filme.

Quem salva muitas vezes as cenas familiares são os personagens Gorducho (Paulie Litt), irmão caçula de Speed Racer, e Zequinha, seu macaco de estimação. Eles dão vida à mesmice da casa, tornando-se os grandes alívios cômicos da trama.

Uma curiosidade no filme, que poderá confundir os fãs. Nas fotos de divulgação, Speed Racer aparece dirigindo um Mach 6. A explicação é simples: o herói precisou turbinar o carro para enfrentar os bandidos em seu encalço. O fato de o Mach 5 ter se tornado obsoleto pode chatear os fãs mais conservadores.

Rodrigo Zavala


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança