Loucas Por Amor, Viciadas Em Dinheiro

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Mulher de classe média arruma emprego de faxineira no Banco Central depois que marido fica desempregado. Com a ajuda de duas colegas, planeja roubar dinheiro que seria destruído.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

03/04/2008

Em tempos de recessão nos Estados Unidos, as classe média vai à luta – com uma ajudinha do proletariado. Como em As Loucuras de Dick e Jane (2005), essa comédia mostra ex-ricos enfrentando a crise econômica de maneira criativa e pouco idônea. Don (Ted Danson, de Três Solteirões e um Bebê) e Bridget Cardigan (Diane Keaton) são bem de vida até o dia em que ele perde o emprego e revela que estão afundados em dívidas. Sem experiência nem qualificação, a única saída para ela é aceitar um trabalho de faxineira numa espécie de Banco Central dos Estados Unidos.

Entre outras atividades desempenhadas no local, está a destruição de cédulas velhas e gastas que serão substituídas por novas. Como a tentação nos empregados num lugar assim cheio de dinheiro pode ser grande, o local é vigiado por diversas câmeras. Todos são revistados antes de sair.

Bridget, embora ingênua, não tem nada de tonta. Assim, arma um plano para desviar algumas notas da destruição em benefício próprio. Para isso, precisará de outras comparsas. Nina (Queen Latifah, Chicago) é uma mãe solteira que trabalha duro para sustentar o filho pequeno. A princípio, não se empolga em participar do golpe. Com o tempo, muda de idéia, por achar que há poucas chances de dar errado – ninguém vai perceber a falta do dinheiro uma vez que, teoricamente, seria destruído.

A terceira peça é Jackie (Katie Holmes, de Batman Begins), uma menina avoada, mas de bom coração. Pouco ambiciosa, entra no plano meio por acaso.

Com em todos filmes de golpe, a parte mais interessante é o planejamento e a execução do roubo. Aqui, a diretora Callie Khouri e o roteirista Glenn Gers suspendem a verossimilhança e deixam o plano fluir naturalmente. Como as tentações são maiores do que o planejado, as moças não se contentam em pegar o dinheiro apenas uma vez. Aí é que mora o perigo.

A presença da diretora Callie no filme parece querer adicionar uma aura de pós-feminismo a tudo isso. Ela, afinal, é a roteirista premiada com o Oscar em Thelma & Louise (1991), um filme que claramente diz às mulheres para irem à luta. Aqui, realmente, as mulheres estão à frente de tudo. Os homens são meros coadjuvantes no golpe orquestrado e executado pelo trio.

Em sua essência, no entanto, falta energia a essa comédia. Falta jogar todo o pudor de lado e não ficar em cima do muro. Aí sim poderia haver mais diversão, sagacidade e até algum comentário sobre a situação atual dos Estados Unidos. Porém, da forma como se apresenta, é apenas a velha historia dos ricos usando os pobres para dar a volta por cima e deixando uma gorjetinha no final.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança