O Sinal

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Detetive (Ricardo Darín) aceita missão de uma bela mulher (Julieta Díaz) para seguir um homem, na Buenos Aires de 1952. Quando mortes começam a acontecer, ele percebe que se envolveu num jogo de risco.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

13/03/2008

Filme argentino investe num clima de nostalgia, unindo uma história de detetive à moda antiga, como fotografia belíssima (de Marcelo Camorino), numa Buenos Aires sombria e em vigília por Eva Perón – a mulher do presidente Juan Domingo Perón vivia seus últimos dias, em 1952.

O conhecido ator Ricardo Darín (O Pai da Noiva) atua e estréia como diretor, ao lado de Martin Hodara. Na verdade, foi a adesão de Darín ao projeto que impediu que o filme fosse interrompido por ocasião da morte de Eduardo Mignogna, autor do romance homônimo e co-roteirista.

Darín faz uma estréia cautelosa como diretor, parecendo não querer se afastar demais dos clichês do gênero noir – a dupla de detetives-sócios que têm suas diferenças, as nuvens de cigarro, o escritório apertado e escuro num prédio sem charme, a mulher fatal que desestabiliza o homem cético – no caso, Corvalán, o detetive vivido por Darín.

O rosto mais conhecido do cinema argentino que chega ao Brasil, Darín afasta-se um pouco de seu registro habitual, vivendo um homem amargo, cujo maior afeto é dedicado ao cão Lobo. Ele tem uma relação trivial com a namorada (Andréa Pietra) e leva seu trabalho com uma dedicação fria. Nem mesmo as apostas nos cavalos, que ele compartilha com o sócio Santana (Diego Peretti) parecem fazer a menor diferença para ele.

A visão da bela Glória (Julieta Díaz) no bar do Jóquei Clube, porém, desestabiliza Corvalán. Quando ela o procura, dias depois, encomendando-lhe o trabalho de seguir um homem por alto pagamento, ele aceita sem desconfiar. Quando mortes começam a acontecer, Corvalán dá-se conta de que se envolveu com jogo muito mais alto do que suas apostas. E que isso não costuma ser saudável para gente como ele. Afinal, Glória é mulher de um poderoso chefão do crime organizado e parece ter uma agenda própria.

O filme é elegante, bem-feito, mas ressente-se de um andamento um pouco solene e lento demais.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança