O Gângster

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


País


Sinopse

No começo dos anos 70, surge um novo chefão do tráfico em Nova York: é Frank Lucas (Denzel Washington), que cria um esquema para trazer heroína diretamente do sudeste asiático, em plena guerra do Vietnã. Um policial honesto (Russell Crowe) quer pegá-lo.


Extras

- Comentários do filme com o diretor Ridley Scott e o roteirista Steven Zaillian


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

24/01/2008

Extraída diretamente da vida real, a história do gângster Frank Lucas tinha tudo para dar um filme. Nascido numa família negra e pobre, na Carolina do Norte, ele foi ganhar a vida em Nova York, tornando-se um dos maiores traficantes de heroína do país, no início dos anos 70. Acumulou uma fortuna estimada em US$ 250 milhões de dólares, foi amigo de celebridades, como o boxeador Joe Lewis, casou com Miss Porto Rico 1970 e viveu para contar sua história – apesar de ter encarado nada menos do que toda a máfia italiana no cobiçado mercado de drogas novaiorquino.

A espetacular trajetória do chefão virou reportagem de Mark Jacobson e serve como base do roteiro de Steve Zaillian (A Lista de Schindler) que sustenta o filme de Ridley Scott. Um chefão, aliás, interpretado com uma peculiar mistura de charme e ferocidade por Denzel Washington. Ultrapassando a performance maligna que lhe deu o Oscar em Dia de Treinamento (2001), Washington tem um olhar que não brilha, sombrio como os propósitos de Lucas. Só que, desta vez, ele ficou de fora das indicações. O filme concorre a duas estatuetas, melhor direção de arte e melhor atriz coadjuvante (a veterana Ruby Dee, que vive a mãe de Lucas).

Formado à sombra de um chefão do Harlem, Bumpy Johnson (Clarence Williams III), Frank abre seu caminho à sua maneira. Cria um esquema de tráfico de heroína diretamente da fonte de produção, o sudeste asiático onde, naquele momento, a guerra do Vietnã estava no auge. Valendo-se de um contato familiar em Bangcoc, o militar norte-americano Nate (Roger Guenveur Smith), Frank cria um método incrivelmente engenhoso de importar a droga, introduzindo heroína de uma pureza sem paralelo no mercado novaiorquino, que ele chama de “mágica azul”. Nenhum viciado mais quer outra coisa e todos os seus concorrentes vêem morrer seu negócio porque, além de pura, a mercadoria de Lucas é barata.

Ninguém atrapalha Lucas, muito menos a polícia, que prefere receber suborno a perturbar sua atuação. Mesmo o agente de investigações especiais, detetive Trupo (Josh Brolin) que o pressiona até no dia de seu casamento, não quer nada além de dinheiro. Até a máfia, através de um dos seus maiorais, Dominic Cattano (Armand Assante), vai procurá-lo para associar-se e ampliar os pontos de distribuição. Mas o controle do suprimento na Ásia permanece sob controle de Frank.

O azar do chefão é que restou pelo menos um policial bem honesto na área, Richie Roberts (Russell Crowe). Ironizado por seus colegas depois que devolveu US$ 1 milhão, encontrado no porta-malas de um carro, ele se credencia para chefiar uma força de elite encarregada justamente de desmontar as redes do tráfico. Ele reúne uma equipe nada convencional, tanto na aparência, como no figurino e técnicas de investigação, e procura chegar à ponta da distribuição da “mágica azul”, que está causando mais mortes do que nunca, tanto pelo consumo da droga como pelas disputas para controlar sua venda.

O filme de Ridley Scott é sobre esses dois mundos paralelos, de Frank e Richie, que não poderão se encontrar sem que a vida um de um deles entre em colapso, de uma ou outra maneira. É um duelo à distância, que se constrói num universo completamente cínico, em que a esmagadora maioria dos policiais e mesmo tantos militares que lutam noVietnã não têm nada de heróis nem de defensores da justiça. A exceção é Richie que, para compensar a incrível honestidade em relação a dinheiro, tem uma vida familiar completamente desestruturada.

De todo modo, é bom ver Russell Crowe na pele de um homem mais comum. Denzel Washington mais uma vez se dá bem encarnando um homem mau, embora muito sedutor e com muito poder de corrupção.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança