Desejo e Reparação

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Inglaterra, 1935. Às vésperas da Segunda Guerra, a família Tallis espera a chegada do primogênito para uma visita à casa de campo. A caçula Briony escreve e ensaia uma peça de teatro para o irmão. Porém, erros de julgamento farão com que o dia tenha um final trágico.


Extras

- Comentários do diretor

- Making Of

- Cenas excluídas (com comentários do diretor opcional)


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

10/01/2008

O primeiro ato de Desejo e Reparação desenrola-se no dia mais quente e seco do ano de 1935. O calor faz com que as pessoas se tornem mais permissivas, diz alguém durante um jantar - que não irá acabar bem, aliás. Esse personagem, porém, desconhece toda a permissividade que percorreu a propriedade dos Tallis ao longo desse dia.

Briony (Saoirse Ronan, de Nunca É Tarde Para Amar) tem 13 anos e uma mente muito fértil. Solitária em uma casa de adultos, ela encontra distração criando pequenos contos e peças de teatro. Sua nova obra prima é “Arabella em Apuros”, que será representada por seus primos do norte na ocasião do retorno do primogênito (Patrick Kennedy, de Um Bom Ano). Porém, tudo dá errado.

Uma trágica combinação entre suas frustrações, o calor e sua imaginação fértil resulta numa série de eventos que vai destruir a vida de algumas pessoas – inclusive a dela própria. Briony acredita que sua irmã mais velha Cecília (Keira Knightley, Piratas do Caribe No Fim do Mundo) foi seduzida pelo filho de uma empregada que é muito querido pela família, Robbie (James McAvoy, de O Último Rei da Escócia).

O julgamento errôneo de Briony faz com que Robbie vá para a prisão e acabe lutando na França na Segunda Guerra Mundial. Cecília, por sua vez, abandona a sua família e se torna enfermeira. Passos que a própria Briony (agora interpretada por Romola Garai, de Scoop – O Grande Furo) irá seguir. E, apesar de todas adversidades, o casal Robbie e Cecília tentará viver um romance em tempos de guerra.

Desejo e Reparação é a história de um erro trágico capaz de alterar vidas e a perseverança de uma pessoa em reparar o desastre. O filme é um grande enigma que vai se resolver apenas em seu último ato, quando entra em cena a veterana Vanessa Redgrave, que representa uma das personagens quase ao final de sua vida.

Baseado no romance Reparação, do inglês Ian McEwan (que aqui também é creditado como produtor executivo), o longa é dirigido por Joe Wright (Orgulho e Preconceito), que demonstra saber como transformar em cinema grandes obras literárias. Lançado em 2001, Reparação é considerado uma dos livros mais complexos e bem escritos dos últimos anos, o que elevou o seu autor a um novo patamar – um nome elegível ao Nobel.

Roteirizado por Christopher Hampton (Ligações Perigosas), o filme encontra força e fraqueza no mesmo lugar: ser extremamente fiel ao livro. E fica como exemplo de que para se fazer uma boa adaptação é preciso desrespeitar o original – coisa que Wright fez muito bem em Orgulho e Preconceito.

Certamente, o diretor Wright sabe como usar movimentos de câmera e a montagem em seu favor e assim dar duas versões de um mesmo fato, para podermos ver o que Briony viu e como as coisas realmente aconteceram. Entretanto, o seu excesso de apuro técnico, às vezes, é um gol contra, como num longo plano-seqüência numa cena de guerra em que a virtuose acaba predominando sobre o que seria mais importante, o momento dramático dos personagens, ou seja, o horror de um campo de batalha.

Aos poucos, Desejo E Reparação perde nuances e começa a ser excessivo até chegar ao final que, apesar de manter a mesma resolução do livro, é um tanto preguiçoso cinematograficamente. O tema do livro e do filme é a capacidade que da arte de ser maior do que a vida real e compensar crimes e pecados. Wright e Hampton conseguem chegar a essa mesma indagação moral. Porém, em alguns momentos deixam de dar espaço para a imaginação do público.

Desejo e Reparação desponta como um dos favoritos para o Oscar. Indicado a sete categorias no Globo de Ouro, venceu duas: melhor filme/drama e melhor trilha sonora.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança