Across the Universe

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Nos anos 60, a luta pelos direitos civis e contra a guerra do Vietnã une os jovens Jude, Lucy e Max. A época é embalada pelas imortais canções dos Beatles.


Extras

- Comentários com Julie Taymor e Elliot Goldenthal

- Galeria de Fotos

- Cena Excluída

- Música e Cenas

- Trailers (sem legendas)


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

06/12/2007

A diretora Julie Taymor (de Frida) confirma o talento e cumpre com sucesso um desafio enorme – atualizar o clima das canções dos Beatles, criando uma estrutura dramática para o seu conteúdo. Populares como são, estas canções de Lennon e McCartney (algumas também de George Harrison) trazem dentro delas histórias de amor, sonhos de sucesso e conquista, protestos, como esses que embalam toda juventude.

A mágica é que a história traz para o contemporâneo os sentimentos por trás das canções - o que parece fácil, mas não é. Para fazer isso, o enredo passa-se exatamente na mesma época do nascimento das canções, os anos 60, recorrendo-se a novos intérpretes e novas gravações, às vezes os próprios atores – cujos personagens foram especialmente batizados também em função das músicas.

Jude (Jim Sturges) é um jovem estivador de Liverpool que descobre que seu verdadeiro pai é um norte-americano. Durante a guerra, sua mãe (Ângela Mounsey) engravidou deste soldado em trânsito, que partiu de volta para casa sem saber da gravidez. Munido do nome deste pai, Jude larga emprego, namorada (Lisa Hogg), e decide dar uma grande virada na vida, indo também para a América do Norte.

Lá, ele muda de interesses. Apaixona-se pela adorável Lucy (Evan Rachel Wood, protagonista do drama Aos 16), torna-se amigo do irmão dela, Max (Joe Anderson). Os dois rapazes vão para Nova York, alugando um quarto no apartamento da cantora Sadie (Dana Fuchs) – cuja voz deve tudo a uma certa Janis Joplin. No grupo de Sadie, toca o músico Jo-Jo (Martin Luther McCooy), que também se pode chamar de filho espiritual de Jimi Hendrix. Faz parte dessa turma de locatários também uma certa Prudence (T.V. Carpio).

A luta pelos direitos civis e contra a Guerra do Vietnã impregna estas vidas, enquanto desfilam pela tela, em criações coreográficas e visuais de uma inventividade incrível, cerca de 30 canções, como Helter Skelter, Why Don´t We Do It in the Road, Dear Prudence, Because, Oh Darling, Don’t Let Me Down, Hold me Tight, With a Little Help from my Friends, Strawberry Fields Forever, I am The Walrus, Let it Be.

Para não dizerem que deixaram toda a responsabilidade na mão da moçada, alguns veteranos de peso dão uma mãozinha no elenco e nas interpretações, caso de Bono e Joe Cocker.

Por todo esse conjunto afinado, a mágica funciona também para platéias mais maduras, que cresceram ao som de Girl e Hey Jude. O segredo é que todo mundo se sente jovem assistindo a este filme.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança