A Massai Branca

Ficha técnica

  • Nome: A Massai Branca
  • Nome Original: Die Weisse Massai / The White Massai
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Alemanha
  • Ano de produção: 2005
  • Gênero: Drama
  • Duração: 131 min
  • Classificação: 16 anos
  • Direção:
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Carola é uma suíça viajando no Quênia com o namorado. Quando conhece um guerreiro nativo chamado Lemalian, ela se apaixona por ele e decide ficar na África. Para viver ao lado de seu amor, a moça enfrenta uma série de problemas culturais e financeiros.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

20/09/2007

No cinema e na literatura, a África é um lugar de sonho para europeus problemáticos, que se reencontram em meio ao continente selvagem e seus costumes exóticos. Foi assim em Entre Dois Amores (baseado nas memórias da dinamarquesa Karen Blixen), também em África dos meus Sonhos (baseado no livro da socialite italiana Kuki Gallmann), e na premiada produção alemã Lugar Nenhum na África (do livro de Stefanie Zweig). A Massai Branca também faz parte desse gênero.

O longa alemão, dirigido por Hermine Huntgeburth (Bibi, A Bruxinha), tem roteiro baseado no livro de memórias da suíça Corinne Hofmann, que abandonou uma vida de conforto na Europa para viver ao lado de um guerreiro no Quênia. No filme, ela ganha o nome de Carola e é interpretada pela atriz Nina Hoss.

Para qualquer europeu que vai para uma região mais reclusa da África, o choque cultural é muito grande. Mas a fascinação pode vir com a mesma intensidade. É exatamente isso que acontece com Carola, que passa as férias no Quênia com seu noivo, Stefan (Janek Rieke).

Carola se apaixona à primeira vista pela figura imponente de Lemalian (Jacky Ido), um guerreiro da tribo Samburu. Decidida, a moça abandona a vida confortável na Europa e o namorado e decide ir atrás desse novo amor. Logo descobre que viver na África não é tão fácil. Depois de alguns contratempos, acaba encontrando Lemalian.

O relacionamento entre os dois não evolui como ela sonhou. Carola logo descobre que o guerreiro desconhece o romantismo e nem imagina que uma mulher possa sentir prazer. A relação sexual tem por função satisfazer apenas os homens, segundo a cultura local. Nada disso a impede de seguir em frente e continuar ao lado do guerreiro, a quem ela ensina alguns novos comportamentos.

A Massai Branca explora bastante os choques culturais entre a civilização européia de Carola e o mundo em que ela tenta entrar agora. Embora Lemalian se mostre mais aberto à cultura de Carola do que os outros membros da tribo, ele não se curva às sugestões dela. A suíça, por sua vez, assusta-se com as tradições do povo de seu marido, que inclui a mutilação sexual das meninas.

Carola parece desconhecer algumas tradições africanas que são bastante debatidas, aliás, no restante do mundo. Cabe ao padre local (Nino Prester) conduzi-la ao conhecimento e aceitação das diferenças. Carola é teimosa e não abre mão de seus sonhos. Por isso, não pensa em voltar para a Europa. Acha que, com o tempo, também conseguirá produzir algumas mudanças no ambiente que adotou.

Como não podia deixar de ser, a paisagem africana emoldura bem essa história de amor e choque cultural, assim como alguns rituais tradicionais, que dão ao filme um toque semidocumental.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança