Atrás das Linhas Inimigas

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

10/02/2003

Nesses tempos de patriotismo à flor da pele, alimentado pelos atentados de 11 de setembro nos Estados Unidos, filmes catárticos como Atrás das Linhas Inimigas, fazem bem ao ego de um povo que se sente ultrajado pela ousadia dos terroristas da Al Qaeda. Como nos roteiros maniqueístas de Hollywood mocinho é mocinho e bandido é bandido, é sempre fácil lavar a alma quando os marines americanos disparam sua munição contra o inimigo do momento.

Para o público brasileiro, que não possui essa identificação, Atrás das Linhas Inimigas é mais um filme de guerra onde o grande atrativo são as cenas de ação. A seu favor destaque-se as bem filmadas cenas de perseguição e combate que conseguem manter a adrenalina sempre em doses bem elevadas. Mas, quem espera uma análise mais profunda e uma visão independente sobre um conflito tão dramático e sangrento como foi a recente Guerra da Bósnia, sairá do cinema decepcionado.

O que o jovem diretor John Moore consegue em seu filme de estréia é testar na tela grande os efeitos que conseguia nos comerciais sobre vídeogame que dirigia para a empresa Sega. As cenas de perseguições, impressionantes, não deixam de ser um jogo de ação para adultos. Algo como "acompanhe a fuga do soldado americano dos mísseis inimigos, franco-atiradores malucos, campos minados e falsos amigos."

O soldado em questão, Chris Burnett (Owen Wilson), um tenente aviador, especializado em navegação, é abatido na Bósnia durante um rotineiro vôo de reconhecimento fotográfico. Acompanhado do piloto Stackhouse (Gabriel Macht), fotografa uma vala repleta de corpos de civis muçulmanos executados por forças sérvias. A presença do avião é uma ameaça para os militares sérvios, cujos massacres são desconhecidos da Otan.

Com a queda do aparelho Chris e Stackhouse são caçados pelos sérvios. Mas apenas Chris consegue escapar e seu pedido de resgate, feito pelo rádio, não encontra eco entre seus superiores. A Otan conseguiu a assinatura de um acordo de paz e a presença do soldado perdido pode colocar o plano em perigo e provocar o reinício dos conflitos. O Almirante Reigart (competente papel desempenhado por Gene Hackman) não consegue convencer seu superior (Joaquim de Almeida) a preparar uma equipe de resgate. O soldado sobrevivente é uma ameaça para os burocratas da Otan e do governo americano.

Abandonado à própria sorte, Chris procura fugir para uma área segura onde acredita que será possível ser resgatado. Em seu encalço está Lokar (Olek Krupa), um sanguinário atirador. Ambos desempenham um cansativo jogo de gato e rato, no qual o americano dependerá de sua astúcia para fugir da rede armada em seu redor.

Luiz Vita


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança