Até o Fim

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

10/02/2003

Num lugarejo tranqüilo às margens do lago Tahoe, na Califórnia, a vida parece ter um ritmo próprio, imune aos problemas das grandes cidades. Todos se conhecem, levam os filhos do vizinho à escola e se ajudam mutuamente. A dona de casa Margaret Hall (Tilda Swinton) será sacudida em sua rotina ao descobrir que o filho adolescente, Beau (Jonathan Tucker), mantém um caso com um cafetão homossexual. Mas, ao tentar impedir que os encontros prossigam, entra em conflito com o filho. A situação se agrava quando o corpo do homem é encontrado na margem do lago, com a ponta de uma âncora cravada no peito. Para proteger a família, ela remove o cadáver e o lança ao mar, com a mesma âncora amarrada ao corpo.

Nessas primeiras seqüências de Até o Fim, os diretores Scott McGehee e David Siegel prometem um thriller competente, principalmente quando o cadáver é encontrado pela polícia e um chantagista aparece com uma fita de vídeo comprometedora e ameaça a assustada mãe. As imagens mostram Beau na cama com o namorado e, se forem divulgadas, podem envolver o rapaz no crime e arruinar a reputação da família.

Mas as boas intenções param em pouco mais de meia hora de filme. Desse ponto em diante, a história vira um novelão, com a mãe se desdobrando para conseguir o dinheiro exigido pelo chantagista e a suspeita do filho de que foi a mãe quem matou seu namorado. O vilão, Alek (Goran Visnjic), que trabalha para um gângster, acaba se comovendo com a situação da mulher e resolve baixar o preço por conta própria. Pior ainda, ele não quer acabar com harmonia daquele lar feliz. Se você acha que é apenas um passo para haver um envolvimento romântico entre os dois, acertou em cheio.

É claro que o moralismo de Hollywood mantém essa suspeita apenas no nível que considera aceitável. Afinal ela é uma mulher casada, seu marido é um oficial da Marinha que está em alto mar defendendo a pátria, e até o filho gay parece ter voltado atrás. Tudo isso é uma pena, pois Tilda Swinton é uma atriz competente e o filme só não mergulha no desastre total graças à sua convincente atuação.

Cineweb-17/5/2002

Luiz Vita


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança