Feliz Natal [Joyeux Noël]

Ficha técnica

  • Nome: Feliz Natal [Joyeux Noël]
  • Nome Original: Joyeux Noël
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: França
  • Ano de produção: 2005
  • Gênero: Guerra, Drama
  • Duração: 116 min
  • Classificação: Livre
  • Direção:
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Em dezembro de 1914, em plena Primeira Guerra Mundial, três grupos de soldados inimigos decidem fazer uma trégua informal e celebrar a data. Criam-se, então, laços de amizade entre esses franceses, alemães e ingleses, que nunca mais conseguirão retomar o conflito da mesma forma.


Extras

- Comentário em áudio do roteirista e diretor Christian Carion

- Entrevista com o diretor Christian Carion

- Trailers (sem legendas)


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

30/11/2006

Na noite de Natal de 1914, em plena Primeira Guerra, três grupos de soldados inimigos declararam uma trégua informal e resolveram se unir numa noite de paz e celebração da vida, tentando deixar de lado as rivalidades, nem que fosse apenas por algumas horas. O drama francês Feliz Natal retrata esse episódio da história, criando uma série de personagens e conflitos fictícios que acabam explorando os horrores da guerra, de forma honesta e visceral.

O que aproxima os soldados franceses, ingleses e alemães que estão no front na França, a princípio, é a música. No entanto, esses inimigos acabam percebendo que aqueles a quem tentam matar no combate são tão humanos quanto eles – que também deixaram esposas, namoradas, filhos, que gostam das mesmas coisas.

O longa, escrito e dirigido por Christian Carion (Encontro Inesperado), cria uma série de personagens fictícios para contar o fato real. O lado alemão é representado pelo tenente vivido por Daniel Brühl (Adeus Lênin), sempre desconfiado, e por um tenor, interpretado por Benno Fürmann. Esse músico, aliás, viverá a história de amor do filme, ao lado de sua namorada e soprano Anna Sorensen (Diane Kruger). Ela acaba indo passar a noite nas trincheiras, ao lado de seu amado, e os dois cantam para alegrar os soldados alemães. A música, porém, chega às trincheiras inimigas e os ingleses começam a fazer um acompanhamento com uma gaita de fole. Essa seqüência – o diálogo espontâneo entre os dois inimigos por meio da música – é um dos momentos mais bonitos do filme.

Os franceses, assim como os alemães, são retratados de forma positiva. Já os militares ingleses, porém, não recebem esse mesmo tratamento. Isso acontece em especial com um bispo que reprime um padre, que também é soldado, por ter rezado uma missa para os inimigos, na noite de Natal.

No entanto, Carion simplifica um pouco demais os acontecimentos. Como se sabe, na verdade, a trégua começou com os soldados cansados dos horrores da guerra, e não por um ato de amor e altruísmo, durando até a Páscoa. Os dois cantores líricos também acabam tendo uma solução bem inverossímil. São essas pequenas concessões que enfraquecem o resultado final do filme, que muitas vezes carrega demais nas suas boas intenções.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança