Miami Vice

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Sonny (Colin Farrell) e Rico (Jamie Foxx) são uma das melhores duplas de detetive de Miami. Por isso, são recrutados para infiltrar-se numa perigosa quadrilha de traficantes, tentando chegar ao número um. O esquema começa a correr perigo quando Sonny se apaixona por Isabella (Gong Li), a principal assessora do chefão (Luis Tosar).


Extras

- Miami e Além: Filmagem nas Locações

- Miami Vice Infiltrado

- Videoclipe de In the Air Tonight, de Nonpoint


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

22/08/2006

Michael Mann atualiza com estilo e elegância a franquia Miami Vice, a série de TV dos anos 80 - da qual ele era, aliás, produtor executivo. Quem não souber mais o que era o programa que trazia Don Johnson e Philip Michael Thomas nos papéis principais, não vai ter a menor importância. Uma coisa que não falta ao diretor (de Fogo contra Fogo, Ali e O Informante) é estilo. Desde logo, se impõe sua câmera elegante, que situa os dois detetives, Sonny Crockett (Colin Farrell) e Ricardo “Rico” Tubbs (Jamie Foxx), na grande cidade. Animais urbanos por excelência, eles necessitam desse contexto para fazer todo sentido.

Sonny e Rico começam o filme em ação numa boate contra traficantes de mulheres. Logo sua atenção é desviada para traficantes de drogas de alto calibre. Sua quadrilha estava infiltrada por agentes especiais do FBI. Mas estes foram descobertos e mortos. Agora, Sonny e Rico vão assumir identidades falsas para chegar ao número um da rede criminosa, que tem como gerente José Yero (John Ortiz).

Fazendo-se passar por entregadores de confiança, Sonny e Rico são admitidos ao círculo íntimo do chefão Montoya (Luis Tosar). E Sonny sucumbe ao encanto de Isabella (Gong Li, a estrela dos filmes de Zhang Yimou). A bela chinesa é a ajudante de ordens e financista da quadrilha e corresponde à sedução do novato.

Os riscos da paixão são, aliás, a maneira como Mann torna seus dois protagonistas vulneráveis e humanos, portanto atraentes para o público feminino – que teoricamente não seria o alvo principal deste tipo de filme. Este ponto fraco em dois heróis tão altamente eficientes e treinados funciona muito bem para tornar a trama mais interessante e menos árida. Rico também fica de coração na mão quando sua parceira Trudy (Naomie Harris) é capturada por um bando de supremacistas brancos, que está envolvido na trama. Mas esse tempero romântico nunca passa do limite, nem toma conta da cena. A ação frenética é o que importa. E quem for atrás de adrenalina, não tem porque sentir-se frustrado com o filme.

Outro atrativo é que a moralidade habitualmente bom-mocista dos enredos policiais aqui é deixada de lado em favor de uma abordagem mais realista.

O único senão é o visual de Colin Farrell. A troco de quê seu cabelo alourado e o bigodão, só os especialistas em chavões pseudolatinos de Hollywood podem saber.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança