A Mochila do Mascate

Ficha técnica

  • Nome: A Mochila do Mascate
  • Nome Original: A Mochila do Mascate
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Brasil
  • Ano de produção: 2005
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 73 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Gabriela Greeb
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Gianni Ratto é uma das figuras mais importantes dos teatros brasileiro e italiano do século XX. Atuou em diversas áreas, como cenografia e direção. Neste documentário, ele repassa sua vida e carreira e viaja a diversas cidades que ajudam a contar a sua história. O roteiro é baseado na sua autobiografia homônima.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

10/05/2006

Uma das figuras mais importantes do teatro brasileiro do século XX, o diretor Gianni Ratto (1916-2005) é o tema deste documentário dirigido por Gabriela Greeb, que foi exibido na Mostra de Cinema de São Paulo e no Festival do Rio em 2005.

No longa, Ratto e a filha Antonia (produtora executiva do filme) embarcaram para a Europa para fazer uma viagem pela história do artista. Visitando cidades com Rio, São Paulo, Gênova, Milão e Florença, o cenógrafo e diretor revisita pessoas e lugares que o influenciaram e outros que receberam a marca do seu trabalho.

Um artista multimídia, antes mesmo deste termo ser inventado, Ratto trabalhou como diretor, iluminador, cenógrafo e figurinista, deixando sua marca registrada em todas as atividades.

Radicado no Brasil desde 1954, Ratto foi uma figura fundamental no renascimento do teatro italiano do pós-Guerra e do teatro político do Brasil da época da ditadura. Depoimentos de colegas de trabalho como Fernanda Montenegro, Millôr Fernandes, Maria Della Costa e Dario Fo confirmam a importância do profissional e como ele contribuiu para a arte teatral dos dois países.

Porém, são os depoimentos do próprio cenógrafo que constituem o ponto forte do documentário. O roteiro escrito pela diretora e a filha de Ratto é baseado na autobiografia homônima do artista, publicada na década de 90. Na obra, ele narra suas memórias, alternando diversos períodos de sua vida e abordando diversos assuntos, como o serviço militar na Itália fascista, o trabalho com ópera e cinema.

Ratto veio ao Brasil convidado por pela atriz Maria Della Costa para fazer os cenários e dirigir uma adaptação da peça “O Canto da Cotovia”, de Jean Anouih. Acabou gostando tanto do país que não voltou para a Itália. Ao lado de Fernanda Montenegro, Fernando Torres, Sérgio Brito e Ítalo Rossi formou um importante grupo chamado Teatro dos Sete. Juntos fizeram montagens que entraram para a história, como O Mambembe, de Artur Azevedo e “A Moratória”, de Jorge Andrade.

Ao longo de sua carreira, o cenógrafo e diretor assinou montagens importantíssimas, como a primeira de Gota D’Água, de Chico Buarque e Paulo Pontes, estrelada por Bibi Ferreira. Em 2003, Ratto recebeu o prêmio Shell pela sua contribuição ao teatro brasileiro. Entre seus últimos trabalhos está o cenário da peça Novas Diretrizes em Tempos de Paz.

Para compor a trajetória de Ratto e, conseqüentemente, um panorama do teatro no Brasil no século passado, a diretora mistura momentos documentais com imagens poéticas, colocando assim numa mesma seqüência diferentes texturas, linguagens, além de cenas ficcionais.

O mais interessante é que a documentarista consegue ir além de fazer um filme exclusivamente sobre o teatro. O que impulsiona as imagens e depoimentos de A Mochila do Mascate é a arte e a relação que um artista tem com o seu mundo. Assim, o documentário consegue se comunicar mesmo com aqueles que conhecem pouco sobre a história do teatro brasileiro.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança