Memórias de uma Gueixa

Ficha tcnica


Avaliao do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 2 votos

Vote aqui


Pas


Sinopse

Depois de ser vendida ainda criança a uma casa de gueixas, Sayuri (Zhang Ziyi) se torna uma das mulheres mais cobiçadas do Japão, despertando desejo nos homens e conquistando uma grande rival e inimiga, a gueixa Hatsumomo (Gong Li).


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crtica Cineweb

30/01/2006

Memórias de uma Gueixa é cheio de boas intenções. Algumas delas, principalmente as técnicas, estão no lugar certo – tanto que o filme recebeu cinco indicações ao Oscar, entre elas fotografia, direção de arte e figurino. No entanto, no que se refere à narrativa e desenvolvimento de personagens, o filme gira em falso, caindo muitas vezes na caricatura.

Segundo filme do diretor Rob Marshall (Chicago), o longa ficou em gestação por muito tempo. Dos diversos diretores cogitados, o primeiro foi Steven Spielberg (que assina aqui como produtor executivo), passando por Kimberly Peirce e Spike Jonze, até chegar às mãos do ex-coreógrafo. Baseado no romance homônimo de Arthur Golden, publicado em 1997, o roteiro é de Robin Swicord. Embora não haja muita diferença entre os fatos do livro e das telas, o filme claramente sofre da falta de profundidade. O bestseller é uma mistura entre romance histórico e a velha história da Cinderela, desta vez situada no Japão da primeira metade do século XX.

Na tela, o que resta é um romance morno e novelesco, vestido de quimonos de seda ao som de uma incessante trilha pseudo-oriental de John Williams (desmerecidamente premiado com o Globo de Ouro). Se o livro e o filme têm uma virtude é mostrar às mentes ocidentais que gueixa não é uma ‘prostituta japonesa’ (ao menos até a entrada dos soldados americanos no filme). Elas são especializadas na arte de entreter, o que envolve um conceito muito mais complexo do que vender o corpo. Porém, embora haja excesso de didatismo ao explicar a formação da personagem principal, Memórias de uma Gueixa parece uma história oriental filtrada para as sensibilidades ocidentais.

A personagem principal é Sayuri (interpretada por Zhang Ziyi, na adolescência e fase adulta), uma jovem pobre que é vendida a uma casa de gueixas, ou okiya, quando criança. Ela passa a viver sob o mesmo teto da gueixa má Hatsumomo (Gong Li), de quem se torna uma espécie de escrava e, mais tarde, maior rival. A casa é administrada por uma mulher chamada de Mamãe (Kaori Momoi), que, como todo bom empresário, quer lucro de suas funcionárias. Porém, a pequena Sayuri acaba caindo nas graças de Mameha (Michelle Yeoh), uma das maiores gueixas já conhecidas, que a toma como protegida.

Em poucos anos, Sayuri aprende as artes de gueixa e fica próxima do seu grande amor, conhecido apenas como Sr. Presidente (o ator japonês Ken Watanabe, de O Último Samurai), por quem se apaixonou ainda criança. No entanto, a moça é a preferida do melhor amigo dele, por isso ficará apenas no amor platônico.

O livro de Golden é uma novela ficcional escrita como se fosse um livro de memórias. O que há de mais surpreendente é como o autor desvenda um universo tão distante de sua realidade. O escritor é um especialista em história e cultura japonesa e consegue criar com veracidade uma voz feminina como narradora de sua história. Os personagens são humanos e repletos de nuances. Mesmo Hatsumomo sendo tão má, é verossímil como personagem, um conflito entre a tradição e a vaidade. Diferente do que acontece no filme. Todas as personagens são maniqueístas demais. Aquela interpretada por Gong Li mais parece uma versão de Darth Vader em forma de gueixa. Não que a culpa seja das atrizes.

Muito se reclamou do fato de três chinesas interpretarem as personagens centrais, todas japonesas. Além disso, Zhang não falava uma palavra em inglês antes do filme e isso fica evidente na tela, quando seu sotaque carregado impede que os diálogos fluam com naturalidade. Aqui, ela não consegue, ou talvez não possa, explorar seu personagem de forma tão rica com fez em O Tigre e o Dragão, e A Casa das Adagas Voadoras, entre outras.

Memórias de uma Gueixa é cinemão americano no que há de mais quadrado e previsível no gênero. Frio e calculado, o filme é pensado para ganhar prêmios e arrancar suspiros. Mas nem sempre todas intenções são concretizadas.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentrio:

Imagem de segurana