Soldado Anônimo

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Swofford (Jake Gyllenhaal) é a terceira geração de uma família americana que se alista no exército. Fazendo parte do grupo de fuzileiros navais, ele é mandado para o Golfo Pérsico no início dos anos 90. Enquanto espera o momento de entrar em ação, o jovem e seus amigos enfrentam diversas adversidades, entre elas, o tédio e o medo.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

02/01/2006

Se com Apocalypse Now Francis Ford Coppola fez de “The End”, do The Doors, o tema dos soldados no Vietnã, em Soldado Anônimo, Sam Mendes coloca para tocar Nirvana, dando aos fuzileiros navais que participaram da primeira Guerra do Golfo a sua própria trilha sonora. Mas apenas nesse quesito o filme apresenta uma visão nova do assunto. Na verdade, Mendes aqui faz um filme de guerra inócuo e uma colagem de diversas ‘homenagens’ a outras produções do gênero, de Apocalypse Now a Nascido Para Matar.

O maior problema de Soldado Anônimo é que em momento algum o filme entra no campo da política. Em seu terceiro trabalho no cinema, o diretor de Beleza Americana dirige um roteiro adaptado por William Broyles Jr. (O Expresso Polar) do livro de memórias de Anthony Swofford. Carregado de energia e uma revolta contra qualquer espécie de conflito armado, o livro transita entre o lirismo e imagens assustadoras dos horrores da guerra com comentários sobre a situação internacional e o papel dos EUA durante os eventos.

O filme nunca coloca os soldados no conflito, transitando entre a adrenalina da vida militar, a ansiedade da espera de um ataque e a frustração do vazio. Mendes consegue alguns momentos inspirados, capturando com competência a mistura entre a tensão, o medo e o desespero. Junto a tudo isso há o inusitado de toda a situação dos soldados praticamente abandonados no deserto debaixo de sol forte.

Do livro de Swofford, o roteiro mantém o imediatismo da situação, do desespero dos envolvidos, mas quando tem a chance de tomar posição – de preferência anti-bélica, como o livro – nunca o faz, embora chegue perto em alguns momentos. Já outras situações perdem suas nuances ao serem transportadas para a tela de forma tão redundante, como quando os fuzileiros voltam para a sua cidade e se encontram com um ex-combatente do Vietnã meio desequilibrado.

Jake Gyllenhaal no papel de Swofford, ou apenas Swoff, para os amigos, é impressionante o bastante. Soldado Anônimo até funciona no que depende dele e dos outros atores, principalmente Peter Sarsgaard, no papel de outro fuzileiro. O personagem é interessante por si próprio, pertencendo à terceira geração de uma família de soldados, ainda que pareça não saber ao certo o que está fazendo no meio da guerra.

No fim, Mendes e Boyles desperdiçam o impacto visceral das memórias de Swooford, caindo em momentos emotivos demais e vazios, perdendo a chance de analisar os efeitos da primeira guerra pós-moderna, a primeira depois da Guerra Fria, e aquela que antecedeu o 11 de Setembro.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança