O Mundo de Jack & Rose

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Jack (Daniel Day-Lewis) ainda tenta viver sob as influências hippies, morando com a filha adolescente numa ilha isolada do resto do mundo. Preocupado com a natureza e causas altruístas, ele não tem paciência para pessoas que pensem diferente dele. Porém, ao trazer para seu paraíso particular a namorada (Catherine Keener) e os filhos dela, sua filha se sente traída e passa a ter um comportamento estranho.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

21/11/2005

A música “I Put Spell on You” cantada pela banda Clearance Clearwater Revival é um tema recorrente no drama O Mundo de Jack e Rose, escrito e dirigido pela norte-americana Rebecca Miller (O Tempo de Cada Um). Em vários momentos, os acordes de desespero da canção dão o tom à relação entre Jack (Daniel Day-Lewis) e sua filha Rose (Camilla Belle, filha de uma brasileira). Mais tarde, a música é retomada, mas desta vez numa versão de Nina Simone. Agora, não só o tom da canção, mas também da relação entre os dois, pois houve a entrada de um novo elemento.

Jack é o típico remanescente da geração dos anos 60, quando as pessoas experimentavam o amor livre e a vida em comunidade. Anos depois, na década de 80, ele é a única pessoa que sobrou na região onde vivia com seu grupo de amigos. Fiel à sua ideologia, ele tenta criar a filha adolescente longe da civilização e com a mente aberta. A relação dos dois é muito boa, levando essa vida isolada que às vezes é perturbada por um construtor (Beau Bridges) que há anos tenta comprar as terras de Jack.

O elemento estranho que chega para acabar de vez com a harmonia entre o pai e filha é Kathleen (Catherine Keener), uma namorada de Jack, até então desconhecida de Rose, que se muda para a casa deles acompanhada pelos dois filhos adolescentes. A situação entre a nova ‘família’ fica cada dia mais tensa, uma vez que os adolescentes não se dão bem e a menina não aceita a nova realidade. Jack, por sua vez, é obrigado a lidar com um novo problema: está com a saúde seriamente debilitada e pensa no futuro da filha, que não conhece nada do mundo, e, como ele crê, não saberá cuidar de si mesma quando ele morrer.

O Mundo de Jack e Rose retoma a ideologia e o modo de viver dos anos 60, inseridos na década de 80, quando tudo deixou de ser em prol do comunitário para privilegiar o individual. Rebecca delineia os conflitos internos de seus personagens como reflexos do contraste entre as duas décadas. Ambiciosa, ela busca uma mistura entre histórias pessoais e uma escala épica. Quem se destaca aqui é Day-Lewis (marido da diretora), que além de perder peso para representar Jack, parece tê-lo compreendido melhor do que a própria criadora.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança