Uma Vida Iluminada

Ficha técnica

  • Nome: Uma Vida Iluminada
  • Nome Original: Everything Is Illuminated
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 2005
  • Gênero: Drama, Comédia
  • Duração: 106 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Liev Schreiber
  • Elenco: Elijah Wood

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 2 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Depois de encontrar uma foto antiga, Jonathan descobre que seu avô foi salvo dos nazistas na Ucrânia graças à ajuda de uma mulher. Ele viaja em busca dela para lhe agradecer. Ao chegar no país, terá como guia um jovem que mal sabe falar inglês e seu avô cego.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

11/11/2005

Depois de conquistar uma legião de fãs no papel do hobbit Frodo na trilogia O Senhor dos Anéis, o ator Elijah Wood optou por fazer um filme pequeno, independente e de muita qualidade. Uma Vida Iluminada marca a estréia na direção e roteiro do excelente ator Liev Schreiber (o filho de Meryl Streep em Sob o Domínio do Mal) que adaptou para as telas o livro Tudo se Ilumina, de Jonathan Safran Foer.

Embora o filme deixe de lado todos os malabarismos narrativos do romance, com idas e vindas no tempo e espaço, o longa consegue captar a essência da narrativa de Foer, que em sua obra tem lidado com a questão da história (familiar e do mundo) na construção da identidade do indivíduo.

O pano de fundo do holocausto na Ucrânia pode dar a impressão de que o filme seja um drama de época pesado e arrastado – longe disso. Uma Vida Iluminada está mais para uma comédia agridoce sobre um jovem judeu norte-americano que vai à Europa em busca da mulher que salvou a vida de seu avô. Um olhar terno do presente a um passado doloroso.

O personagem tem o mesmo nome do escritor do livro, Jonathan, e desde pequeno gosta de colecionar objetos inusitados, guardados em saquinhos num quarto especial. Pouco antes de morrer, sua avó lhe entrega uma foto antiga do avô, que começa a representar um mistério para o rapaz.

Na Ucrânia, em busca da mulher que ajudou o seu avô a fugir dos nazistas, ele será guiado por um jovem tradutor (que conhece muito mal o inglês), o avô cego e uma cachorra chamada Sammy Davis Jr, Jr. Desse diálogo entre dois continentes e duas gerações, surgem as situações mais engraçadas e ternas do filme, que a partir de então se torna um road movie.

O quarteto sai em busca da mulher misteriosa. Ao mesmo tempo, mergulha numa viagem de auto-descoberta e aceitação, explorando feridas do passado histórico e pessoal que interfere no presente de cada personagem.

O tradutor é interpretado pelo hilariante Eugene Hutz, cantor e vocalista da banda de punk cigano Gogol Bordello, que também assina a trilha sonora do filme, com músicas regionais.

Com fotografia de Matthew Libatique (Réquiem para um Sonho), Schreiber cria um mundo de choque entre culturas com um olhar carinhoso para o inusitado. Alguns momentos são inesquecíveis, como o campo florido de girassol ou a água do rio iluminada à noite. O cineasta se mostra não só um bom diretor de atores, como também um ótimo contador de histórias e criador de imagens.

Embora o roteiro tenha deixado de fora boa parte do livro, principalmente aquela relacionada à história da aldeia e o passado de diversos personagens, assim como os malabarismos narrativos e lingüísticos de Foer, Uma Vida Iluminada se sai bem ao mostrar o presente refletindo o passado que ao mesmo tempo o ilumina. O roteiro foi premiado pelo júri da 29a Mostra Internacional de Cinema.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança