Os Irmãos Grimm

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 5 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Jacob e Wilhem Grimm são dois irmãos que andam pela Europa dando pequenos golpes fingindo exterminar bruxas e demônios. Quando as autoridades napoleônicas ouvem falar deles, os capturam e obrigam a acabar com uma bruxa que toma conta de uma floresta e assusta um povoado.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

04/10/2005

É curioso ver que Os Irmãos Grimm, de Terry Gilliam (Medo e Delírio em Las Vegas, Os 12 Macacos), tem um certo parentesco com o festejado Em Busca da Terra do Nunca, de Marc Forster, que acabou indicado a vários prêmios da Academia. É como se fossem dois primos distantes, um com gosto pela ternura e outro pelo macabro, pelo gótico. Em sua espinha dorsal, os dois longas abordam o mesmo tema: a vida influenciando na criação artística, ou, o quanto a arte pode ajudar a superar momentos de dificuldades, sejam no plano pessoal ou nacional.

Mas uma diferença básica, é que no filme sobre o criador de Peter Pan a fantasia está sempre muito sutil, até explodir de forma definitiva no clímax emocionante. Já no outro longa, o elemento fantástico entra em cena nos primeiro minutos, acabando com uma linha tênue que separa a realidade do imaginário. Gostar ou não de cada um desses dois filmes depende muito do embarcar na visão do diretor e naquilo que ele tem a dizer.

É muito mais fácil se envolver com o filme de Forster, até porque sua estrutura é muito mais próxima do convencional e da emoção (não que isso seja um defeito). Para achar graça no filme de Gilliam é preciso um maior nível de abstração, é praticamente ter que acreditar no inacreditável, o que pode ser um bom estratagema, tendo em mente que o cinema pode ser uma fuga da realidade.

Em Os Irmãos Grimm tudo aquilo que conhecemos dos contos de fada criados por eles está lá – com a diferença de que a ‘realidade’ (fantasiosa do filme) é muito mais assustadora do que aquilo que a dupla escreveu. A suspensão do contato com a realidade, aliás, é necessária até mesmo aos personagens do título, afinal o que eles têm de enfrentar são seres que existiam apenas na invenção deles para ganhar dinheiro das pessoas.

No roteiro de Ehren Kruger (O Chamado 2) Jacob (Heath Ledger) e Wilhelm Grimm (Matt Damon) são dois charlatões que faturam em cima de pessoas simplórias que acreditam em bruxas e seres encantados. Eles vão de cidade em cidade fazendo artimanhas para livrar a população deste perigo – todo armado por eles. No entanto, a fantasia vem para a vida real quando autoridades francesas os capturam para acabar com os encantos de um floresta que tem assustado a um pequeno vilarejo que está sob domínio de Napoleão.

Garotinhas dessa vila estão desaparecendo na floresta vizinha que carrega a lenda de ser amaldiçoada. Os dois irmãos terão de enfrentar aquilo que existiam apenas em seus golpes, como demônios e seres encantados para reverter o feitiço da floresta que está sendo dominada por uma bruxa má que outrora fora muito bela.

Ao longo da história, vários elementos dão pistas que mais tarde se transformariam nos contos dos irmãos Grimm, como a menina que se perde na floresta usando uma capa vermelha, ou a personagem que joga seus cabelos enormes pela janela da torre. São elementos irreais tomados no contexto do filme como reais. Assim como J M Barry (criador de Peter Pan) que buscou na fantasia os elementos necessários para a abstração e criação de uma arte catártica. Aqui, a catarse é de toda a população européia, que naquele momento estava subjugada pelo domínio de Napoleão.

Gilliam aceitou fazer esse filme depois que a sua adaptação de Dom Quixote naufragou mesmo com as filmagens já iniciadas. Acabou tendo que sujeitar a diversas exigências do estúdio produtor de Os Irmãos Grimm, a Miramax, e o resultado é um filme híbrido. Há muito do toque dele nas cenas, na composição das imagens, no teor fantástico-gótico e mesmo no humor negro, mas também há muitas idéias com cara de ‘executivo de estúdio’ o que resulta num filme beirando o convencional. Mas nem por isso, deixa de ser uma tremenda diversão, desde que se aceite que na fantasia pode tudo.

Alysson Oliveira


Comente
Comentários:
  • 21/03/2011 - 15h21 - Por luca adorei o filme muito bom
  • 09/03/2012 - 10h06 - Por Ariany , Laura e Carol Achamooos o filme muitoo legaal! HAHA poviiim akiie doo colegiiim um BEIJOOOO .v7ZB
  • 18/11/2012 - 11h07 - Por natiçumi eu achei super
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança