Wallace e Gromit - A Batalha dos Vegetais

Ficha técnica

  • Nome: Wallace e Gromit - A Batalha dos Vegetais
  • Nome Original: Wallace & Gromit: The Curse of the Were-Rabbit
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Inglaterra
  • Ano de produção: 2005
  • Gênero: Comédia, Animação
  • Duração: 85 min
  • Classificação: Livre
  • Direção:
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 3 votos

Vote aqui


País


Sinopse

O inventor Wallace conta com a ajuda de seu esperto cachorro Gromit para liquidar com a peste que destrói as hortas da cidade. Eles têm todos os coelhos sob controle, e buscam uma forma de acabar com a praga sem ter que matar os bichinhos. Mas quando surge o Coelhosomem, uma criatura enorme e perigosa, eles percebem que estão diante de algo muito mais complicado.


Extras

- Cenas Excluídas

- Bastidores

- A História de Wallace e Groomit


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

04/10/2005

A espera valeu a pena. Depois de estrelar três curtas premiados (com Oscar e Bafta, entre outros) a dupla Wallace e seu fiel escudeiro, o cão Gromit, ganha um longa que não poderia ser melhor. Objeto de culto de adultos e crianças, os personagens já fazem parte da cultura pop contemporânea, com seus corpos feitos de plasticina e o humor tipicamente britânico – o que marcou os filmes anteriores.

Walace é um inventor, e, como todos, meio maluco, que desenvolve umas geringonças que seriam ótimas e úteis, se funcionassem direito. Ele deve ter algum parentesco com ratos, pois é apaixonado por queijo, o que tem aumentando muito o seu peso. Gromit, por sua vez, é o sinônimo da lealdade e da inteligência. Sempre se pode contar com ele para salvar o dia. Mas o mais fascinante sobre esse cão é que tudo o que ele sente é passado por meio de suas expressões faciais. Diferente da maioria dos animais de desenhos animados, ele não fala – sequer tem boca. Mas seus olhos e sobrancelhas são de um poder de persuasão que o colocam ao lado de astros do cinema mudo, como Charlie Chaplin, Greta Garbo e Buster Keaton.

Em A Batalha dos Vegetais Wallace (dublado por Peter Sallis, nas cópias em inglês) tem uma empresa de controle de peste – leia-se coelhos. Os roedores ávidos por vegetais frescos estão destruindo as hortas da cidade. Mas o inventor desenvolveu alguns equipamentos para pegar os bichinhos sem machuca-los. E com ajuda de Gromit fecha-los no porão e cuidar deles até que se descubra o que fazer.

Sua mais nova cliente é Lady Campanula Tottington (Helena Bonham Carter), a bela e caridosa ricaça da cidade que contrata Wallace por ter certeza de que ele dará um tratamento humanitário aos coelhinhos que estão destruindo a sua horta. Ela, aliás, é a patrocinadora da competição anual de legumes gigantes que está se aproximando. Porém, pior do que pegar coelhos é ter que lidar com Victor Quartermaine (Ralph Fiennes), um vilão canastrão, com cabelo à la Elvis, que está de olho em Campanula.

A solução para acabar com a fome dos coelhos pode ser um badulaque inventado por Wallace que vai trabalhar no pequeno cérebro deles e tirar o desejo de comer vegetais. Mas, claro, que durante os testes algo dá errado e um coelhinho acaba tendo que ficar preso em uma cela, sob observação. Ao mesmo tempo, surge uma perigosa criatura que começa a destruir as hortas com muito mais poder, o Coelhosomem. E põe toda a cidade em pânico.

O humor de Wallace e Gromit – A Batalha dos Vegetais vem não apenas de seu visual, mas também do roteiro. Os coelhinhos, por exemplo, são graciosamente esquisitos, com focinhos que mais parecem de porcos. O Coelhosomem é uma criatura assustadora – bem, nem tanto, e também tem lá a sua graça. Já a história tem momentos inspiradíssimos, além de diálogos que beiram a genialidade, ditos (na versão original) com um sotaque britânico quase inteligível, o que é mais divertido ainda.

Os diretores Nick Park (de A Fuga das Galinhas) e Steve Box levaram cinco anos para fazer esse longa e dá para ver o esforço em cada frame – até nas charmosas e propositais marcas de dedo deixadas nos personagens de plasticina. E no fim das contas, o filme também tem uma mensagem pró-vegetarianismo (algo que Park havia deixado meio implícito no outro longa). É diversão sabor salada, com direito a pedacinhos de queijo para Wallace.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança