2 Filhos de Francisco

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 4 votos

Vote aqui


País


Sinopse

No interior de Goiás, Seu Chico (Ângelo Antônio) tem um sonho: transformar dois de seus filhos numa dupla sertaneja de sucesso. Mas o caminho é árduo. No entanto, mesmo com muitas dificuldades, ele não desiste. O resultado é o sucesso alcançado por Zezé Di Camargo e Luciano.


Extras

-Menu interativo

-Seleção de cenas

-Making of

-Documentário Zezé Di Camargo & Luciano

-Cenas excluídas
-Erros de gravação

-Galeria de fotos


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

16/08/2005

O encontro entre o popular e o erudito se realiza nesta estréia do diretor de fotografia Breno Silveira (Carlota Joaquina, Eu Tu Eles). O popular está no argumento, a vida de uma das duplas sertanejas de maior sucesso no País, Zezé di Camargo e Luciano. O erudito está na opção de não ceder ao apelo fácil de procurar seduzir apenas os milhões de fãs da dupla, resultando num filme bem-produzido técnica e dramaturgicamente.

Caminhando nessa linha fina, num caminho que já foi trilhado com esmero há 26 anos atrás por Estrada da Vida, de Nelson Pereira dos Santos – com a dupla Zé Rico e Milionário -, Breno faz um trabalho digno e emocionante, que pode agradar mesmo quem tem horror a música sertaneja. O diretor fez uma aposta certa numa narrativa emotiva, mas não piegas, nutrida pela figura de um agricultor, Francisco Camargo (Ângelo Antônio) que vive no interior de Goiás e cultiva com garra uma única obsessão: tornar seus dois filhos mais velhos, Mirosmar (Dablio Moreira) e Emival (Marcos Henrique), uma dupla de cantores de sucesso.

Os dois meninos levam jeito para a coisa e se apresentam em rodoviárias. Logo chega um empresário com olho clínico (José Dumont) que os leva, já com o nome de Camargo e Camarguinho, para longas turnês pela estrada – onde, é claro, fica com a maior parte do dinheiro, dando apenas cama, comida e roupa aos dois meninos longe dos pais. Uma tragédia na estrada interrompe aquela que parecia uma carreira ascendente.

Adulto, Mirosmar (Márcio Kieling) vai para São Paulo, casado com Zilu (Paloma Duarte). A música nunca vai deixar a vida dele. Mas está escrito que ele só vai ter um sucesso estrondoso quando se juntar novamente a um parceiro: seu irmão Welson (Thiago Mendonça), que estará ao seu lado quando a canção “É o Amor” estourar nas paradas, vendendo um milhão de discos em 1990, e eles já se chamarem Zezé di Camargo e Luciano..

Uma parte do êxito do filme sem dúvida se deve ao acerto no casting dos dois garotos, que seguram metade da história com total espontaneidade. Não é só isso. A família Camargo, onde deve se destacar também a intensa interpretação de Dira Paes como a mãe, Helena, ganha toda a credibilidade na tela como um grupo de pessoas comuns mas cheias de brilho e vontade. É com heróis assim, do cotidiano, que o Brasil profundo dá sua contribuição à abalada auto-estima do País.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança