Nem Tudo é o que Parece

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

XXXX (Daniel Craig) sabe que está numa posição bem baixa no círculo social dos gângsteres de Londres. Embora esteja ganhando bem, sabe que está na hora de abandonar a vida do crime. Antes disso, terá duas missões a cumprir, nenhuma tão simples quanto parece.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

03/08/2005

Depois de pouco mais de uma hora e meia de tiros, espancamentos e reviravoltas, Nem Tudo é o que Parece chega ao seu inesperado final ao som de “Don’t let me be misunderstood”, na interpretação melancólica de Joe Cocker. A música escrita em 1964 serve como um epílogo perfeito para tudo aquilo que se viu até então. Um pobre coitado que foi mal compreendido a vida toda e pede ao mundo, à amada e a Deus que as pessoas o entendam, afinal ele é apenas ‘uma alma de boas intenções’.

Mas de boas intenções, como diz o ditado, o inferno está cheio – nem que esse inferno seja na Terra. E o mundo dos gângsteres também. É isso que descobre o, por vezes ingênuo, e por vezes esperto até demais, protagonista do longa chamado apenas de XXXX, e interpretado com energia e sagacidade pelo ótimo Daniel Craig (Sylvia – Amor Além das Palavras) que, nesse filme em especial, lembra muito fisicamente Steve McQueen. O seu lado esperto lhe mostrou que o submundo onde ele atua, distribuindo cocaína para os chefões da máfia londrina, é dividido em castas, nas quais a mobilidade é praticamente zero. Ele está numa das camadas mais baixas dessa organização (daí o título original do filme ‘bolo de camadas’). Já a sua porção ingênua crê que é possível fazer um último negócio bem rentável, abandonar esse mundo e levar uma vida tranqüila.

Antes de se ‘aposentar’, XXXX recebe duas últimas tarefas: encontrar a filha de um bandido de alta classe que fugiu de casa; e arrumar os estragos feitos por um outro fora-da-lei que roubou tabletes de ecstasy de um chefão sérvio em Amsterdã. Tão logo o herói do filme descobre que pode estar sendo enredado numa missão suicida, ele praticamente encontra o motivo de ter sido colocado nesse mundo, a bela e sensual Tammy (Sienna Miller), a namorada do sobrinho de um perigoso mafioso.

Depois de estabelecidas essa meia dúzia de peças, Nem Tudo é o que Parece parte num jogo com dezenas de reviravoltas e alguns xeques-mates antes de chegar à voz de Joe Coker. Por mais mirabolante que o roteiro possa parecer, o melhor do longa é que tudo está ligado à descida de XXXX ao inferno na Terra e sua provável recuperação.

O roteiro foi escrito por J.J. Connolly, baseado no seu livro homônimo. O escritor é uma espécie de mestre dos livros de gângster na Inglaterra. E só a sua ambientação –que foge do padrão nova-iorquino típico de Hollywood – já conta como um grande diferencial, além do sotaque carregado. Connolly não se esquiva de traçar os paralelos entre a quase-rígida sociedade inglesa e o mundo do crime, e mostra que há muito em comum entre os dois. Afinal, sempre são os mais fracos da cadeia alimentar que se dão mal. Embora XXXX pense que pode mudar essa máxima.

O produtor Matthew Vaughn estréia na direção com esse longa. Parceiro de Guy Ritchie na alegria (Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes) e na tristeza (Destino Insólito), Vaughn se mostra um diretor mais talentoso e confiante do que seu sócio. Nem Tudo... é uma espécie de filme de Guy Ritchie com atitude – algo que vai além do mero divertimento e tem personagens desenvolvidos e não meros estereótipos ambulantes. Já a trilha sonora escolhida a dedo faz com que alguns momentos mais marcantes do filme ocorram ao som de “Ordinary World”, do Duran Duran, e “Gimme Shelter”, com os Rolling Stones.

E, por mais que o elenco de coadjuvantes esteja em ponto de bala, com destaque para o irlandês Colm Meaney, esse é um filme de Daniel Craig, e isso ninguém rouba dele. A certa altura cotado para ser o novo James Bond, o ator inglês de quase 40 anos, já ameaçava deixar sua marca e roubar a cena em produções como o primeiro Lara Croft e Sylvia. Agora finalmente ganha um filme só para ele e mostra porque é um dos mais talentosos a despontar no cinema inglês nos últimos anos. Sua performance em Nem Tudo é o que Parece mostra também que ele estaria mais à vontade fazendo um vilão em filme de James Bond do que o agente – até porque os ‘caras do mal’ sempre são mais marcantes do que o mocinho com licença para matar.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança