Desafio no Ártico

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 7 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Na década de 50, enquanto sobrevoa a região ártica canadense, o avião de um ex-piloto de guerra quebra e cai. Perdido numa região fria e hostil, para sobreviver ele contará com a ajuda de uma jovem esquimó com tuberculose, que ele transportava para um hospital.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

27/04/2005

Barry Pepper (A Última Noite) pertence a um seleto grupo de atores com os quais Hollywood não sabe o que fazer. Eles nunca decolaram como galãs românticos, nem como heróis de filmes de ação, nem têm um talento descomunal (à la Edward Norton, por exemplo, só para citar um da mesma geração) – e mesmo assim os produtores não desistem dele. Muito raramente, atores dessa estirpe protagonizam um filme, como é o caso de Barry e este Desafio no Ártico. Dado o material certo, essa pode ser uma oportunidade para o ator mostrar seu devido valor. Acontece que aqui, ator e filme ficam em cima do muro. Nem é um grande filme com uma performance monumental, nem um longa medíocre com um trabalho ruim. É simplesmente algo mediano – uma sessão da tarde na maior parte do tempo entediante.

Não por acaso Desafio no Ártico lembra Os Lobos Nunca Choram (1986). Ambos são baseados em textos do escritor canadense Farley Mowat, e o novo filme é dirigido por Charles Martin Smith, o protagonista do longa da década de 80. No entanto, a nova produção não tem a mesma poesia que fez a fama da outra. Apesar das imagens de ambas serem belas, as beleza de Desafio limita-se a suas imagens, enquanto a de Lobos extrapolava o visual e contagiava também a história.

Pepper é Charlie, um piloto de aviões na década de 50 que faz um acordo com os esquimós para transportar uma doente com tuberculose até um hospital. Durante a travessia, o motor falha e é obrigado a fazer um pouso. Sem rádio e impossibilitados de voar novamente, resta aos dois esperar que um outro avião se aproxime.

Mas o mais complicado é sobreviver em um ambiente onde a temperatura sempre está bem abaixo de zero e praticamente não há o que comer. Os dois terão que contar apenas com os conhecimentos da menina esquimó sobre a região e sobrevivência.

O drama edificante vai crescendo aos poucos, à medida em que eles superam novos desafios. Porém, o roteiro se perde quando joga a hostilidade do ambiente para segundo plano e se transforma num filme moralizante mostrando ‘o quanto podemos aprender com os nativos’ – caindo no clichê.

Apesar de tudo, é difícil fotografar a paisagem do norte do continente americano de forma feia. Campos gélidos e cobertos de neve impressionam muito e, para azar de Pepper, acabam roubando a cena.

Alysson Oliveira


Comente
Comentários:
  • 06/03/2011 - 12h54 - Por Eldio fernandes Recomendo ! emoção do inicio ao fim
  • 20/04/2015 - 21h43 - Por marcos O filme é fantástico. Explora, inicialmente, o menosprezo do personagem central pelo povo esquimó e pequena jovem que está as portas da morte. A jovem lhe mostra um novo mundo quando o avião cai no deserto gelado e quando ela morre, renasce um novo homem no personagem central que consegue sobreviver ao inferno gelado e caminhar até a ajuda.
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança