Doze Homens e Outro Segredo

Ficha técnica

  • Nome: Doze Homens e Outro Segredo
  • Nome Original: Ocean's Twelve
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 2004
  • Gênero: Aventura
  • Duração: 120 min
  • Classificação: Livre
  • Direção:
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


País


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

16/12/2004

Antes de qualquer crítica, é necessário dizer que Doze Homens e Outro Segredo não é um filme sério. São quase duas horas de divertimento transparente por parte do diretor e do elenco, que parecem levar tudo como uma grande brincadeira, independente do ânimo do espectador. No entanto, o mais curioso em tudo isso é que eles acertam, criando uma produção despretensiosa e hilária.

Como seqüência de um remake (Onze Homens e um Segredo), esta nova produção não prima muito pela originalidade. Parece mais um grande reencontro de amigos, em que o espectador participa de fora, como se fosse convidado ao acaso; como aquelas pessoas que não são do grupo e observam tudo, esperando uma oportunidade para começar a dar sua opinião.

E o primeiro conselho que se pode dar logo no início é: fujam. Terry Benedict (Andy Garcia), dono do cassino roubado no primeiro filme, consegue encontrar o rastro dos onze companheiros de furto e os ameaça: ou devolvem todo o dinheiro do roubo (com altíssimos juros) ou vão parar na cadeia. Neste ponto, todos se encontram em diferentes regiões dos Estados Unidos torrando o que sobrou do golpe. Como foram descobertos? Alguém os traiu? Afinal, Benedict não conseguiria fazer qualquer coisa sozinho.

Sobra para Danny Oncean (George Clooney) e Rusty Ryan (Brad Pitt), reorganizarem o grupo para levantar fundos para o pagamento. Ambos são dinâmicos e "cool" o suficiente para entreter as espectadoras e planejar mais um grande roubo. Enquanto isso, a esposa de Ocean, Tess (Julia Roberts), e Isabel Lahiri (a belíssima Catherine Zeta-Jones), como policial que investiga o bando, investem na inteligência feminina não só para vencer o explosão de testosterona na tela, mas dar um alívio ao rapaz que acompanhará sua namorada ao cinema.

Talvez o melhor ponto de Doze Homens e Outro Segredo fosse o sutil e quase invisível modo em que Steven Soderbergh orquestra o filme. Tal como fez em Traffic (2000) e em Onze Homens e Um Segredo (2001) muitas cenas terminam antes mesmo de começar, negando-se a apresentar a óbvia resolução de um conflito ou o riso fácil de uma piada. Soderbergh, assim, respeita seu público, sabendo que ele pode muito bem tapar os buracos sem perder o fio da história. Mas não é isso.

Poderia ser o seu interessante modo de dirigir e editar que requer um preciso equilíbrio de tempo, ritmo e conteúdo para não perder a linha narrativa - que o diretor consegue sem muito esforço. Um fato experimental em Traffic, que ele soube como transpor para o cinema comercial e comprovar sua adaptação. Um truque estilístico.

Mas o que realmente consegue levar o filme é o carisma dos atores, que realmente parecem ser grandes amigos, e bastante inteligentes para realizar um roubo que envolve diversos países. Tudo fica com certo ar de "erros de gravação", mas é apenas o bom desempenho de todos ali e uma boa idéia na cabeça de Soderbergh.

Rodrigo Zavala


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança